Tempo
|
A+ / A-

Putin diz que alegados massacres em Bucha são falsificação

12 abr, 2022 - 19:00 • Lusa

Num encontro com a imprensa, o Presidente da Rússia sublinhou ainda que a campanha militar na Ucrânia "está a decorrer de acordo com o plano" e que a sua duração dependerá da "intensidade dos combates".

A+ / A-

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse esta terça-feira que o massacre de Bucha, alegadamente perpetrado pelas tropas russas na região de Kiev, é uma falsificação que comparou a acusações contra o homólogo e aliado sírio, Bashar al-Assad.

As autoridades ucranianas anunciaram neste dia que já contabilizaram 400 civis mortos em Bucha, alegadamente vítimas de massacres das forças russas antes de se retirarem daquela cidade e de outras localidades nos arredores da capital da Ucrânia.

Numa conferência de imprensa com o Presidente da Bielorrússia após uma visita ao cosmódromo Vostochny, no leste da Rússia, Putin disse que Alexander Lukashenko lhe entregou documentos relativos a Bucha e considerou que a acusação de massacres russos é falsa.

Putin recordou o alegado arsenal químico iraquiano que serviu de pretexto para a invasão do Iraque pelos Estados Unidos, em 2003, e que foram encenadas provocações semelhantes na Síria, acusando Al-Assad de utilizar armas químicas.

"Depois, verificou-se que se tratava de uma falsificação. A mesma farsa está em Bucha", disse o líder russo, citado pela agência oficial TASS.

Putin disse também que sempre que um líder ocidental lhe fala em atrocidades na Ucrânia, recorda a destruição causada pelos aviões norte-americanos em cidades sírias como Al-Raqa, onde morreram centenas de civis em 2017.

"Ninguém reagiu então", disse.

Putin salientou que a campanha militar na Ucrânia "está a decorrer de acordo com o plano" e que a sua duração dependerá da "intensidade dos combates", o que, segundo admitiu, implica perdas do lado russo.

"A nossa missão é atingir todos os objetivos estabelecidos, minimizando ao mesmo tempo as baixas. Vamos agir com firmeza, calma, de acordo com o plano que foi inicialmente elaborado pelo Estado-Maior", disse, citado pela agência espanhola EFE.

Quanto à crítica do chanceler austríaco, Karl Nehammer, de que está "imerso numa lógica bélica", Putin manteve a sua posição.

"A nossa lógica é simples. O nosso objetivo é ajudar as pessoas que vivem no Donbass, que sentem uma ligação inquebrável com a Rússia e que durante oito anos foram vítimas de genocídio", respondeu, reafirmando um dos objetivos da invasão da Ucrânia.

Explicou que as ações militares noutras regiões ucranianas estão relacionadas com a intenção de neutralizar as forças inimigas, destruir infraestruturas militares e "criar condições para ações militares mais ativas no território do Donbass".

Putin admitiu que a operação russa na Ucrânia é uma "tragédia", embora inevitável, e considerou que o mundo está a assistir à "rutura do sistema mundial unipolar que foi formado após a desintegração da União Soviética".

"Muitos dizem que os Estados Unidos estão prontos para lutar contra a Rússia até ao último ucraniano. Dizem-no ali e aqui. Essa é a quintessência do que está a acontecer", acrescentou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+