Tempo
|
A+ / A-

Ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano denuncia "massacre deliberado" em Bucha

03 abr, 2022 - 14:54 • Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, denunciou hoje um "massacre deliberado" na cidade de Bucha, recapturada recentemente pelos ucranianos ao exército russo, onde muitos cadáveres foram descobertos.

A+ / A-

Veja também:


"O massacre de Bucha foi deliberado. Os russos querem eliminar o maior número possível de ucranianos. Devemos prendê-los e expulsá-los. Exijo novas sanções devastadoras do G7 AGORA", publicou o ministro na rede social Twitter.

"Região de Kiev. Inferno no século 21. Os corpos de homens e mulheres que foram mortos com as mãos amarradas. Os piores crimes do nazismo estão de volta à Europa. Isso foi feito deliberadamente pela Rússia", publicou o assessor da Presidência ucraniana, Mykhailo Podoliak, no Twitter.

Comparando Bucha ao massacre de Srebrenica na Bósnia em 1995, Podoliak acusou o Ocidente de tentar "não provocar os russos" para evitar uma Terceira Guerra Mundial.

"Como resultado, o mundo viu um horror indescritível de desumanidade em Bucha, Irpin, Gostomel. Centenas, milhares de pessoas mortas, dilaceradas, violadas, amarradas, violadas novamente e mortas novamente", afirmou Podoliak.

"Vocês ainda vão tentar virar as costas? Organizar outra cimeira para se preocuparem e balançarem a cabeça?", afirmou o assessor, dirigindo-se aos líderes europeus.

A responsáveis pelos direitos humanos do Parlamento ucraniano, Liudmila Denissova, por sua vez denunciou um "genocídio" e um "crime contra a humanidade", pedindo julgamentos e sentenças muito severas à "horda bárbara da Rússia".

As forças ucranianas só conseguiram penetrar completamente em Bucha há alguns dias, ocupada pelos russos e permaneceu inacessível por quase um mês.

A agência e notícias AFP viu no sábado os corpos sem vida de pelo menos vinte homens com roupas civis numa rua de Bucha. Um dos homens tinha as mãos amarradas e os corpos estavam espalhados por várias centenas de metros.

A causa de sua morte não pode ser determinada imediatamente, mas uma pessoa tinha um grande ferimento na cabeça, adiantam.

"Todas essas pessoas foram baleadas", "eles [os russos] mataram com uma bala na nuca", assegurou à AFP o autarca de Bucha, Anatoly Fedorouk.

"Em Bucha, já enterramos 280 pessoas em valas comuns" porque era impossível fazê-lo nos três cemitérios do município, todos ao alcance dos soldados russos, acrescentou Fedorouk.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e a ministra dos Negócios Estrangeiros britânica, Liz Truss, também denunciaram hoje os "atos revoltantes" e as "atrocidades" cometidas pelo Exército russo em Bucha e na região de Kiev.

O ministro da Economia da Alemanha, Robert Habeck, pediu hoje o reforço das sanções económicas contra a Rússia, após um "terrível crime de guerra" que ocorreu em Bucha, na Ucrânia.

Os russos, ao se retirarem, deixam para trás "um desastre total e muitos perigos", declarou ainda o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+