Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia: Observatório EDMO alerta para amplificação da desinformação russa e "russofobia"

01 abr, 2022 - 21:21 • Lusa

Esta informação consta do terceiro relatório semanal "Narrativas de desinformação sobre a guerra na Ucrânia" do European Digital Media Observatory (EDMO), relativo ao período de 24 a 31 de março.

A+ / A-

O Observatório Europeu de Media Digital (EDMO, na sigla inglesa) alerta para uma amplificação da desinformação da Rússia, no âmbito da guerra com a Ucrânia, e para a "russofobia", que leva a "infundadas ações discriminatórias contra cidadãos russos".

Esta informação consta do terceiro relatório semanal "Narrativas de desinformação sobre a guerra na Ucrânia" do European Digital Media Observatory (EDMO), relativo ao período de 24 a 31 de março.

O relatório aponta que é de esperar uma "amplificação da desinformação russa", já que foi criada uma rede de contas falsas nas redes sociais desde o início da guerra para "ampliar a disseminação da desinformação do governo russo e autoridades diplomáticas".

O peso deste fenómeno "está a crescer" e está a ser monitorizado pela comunidade de investigadores, adianta.

Outro dos alertas é relativo à desinformação sobre as consequências económicas da guerra.

"As consequências económicas do atual conflito, incluindo no setor de energia e na produção de trigo, estão a afetar fortemente a oferta global da cadeia de fornecimento" e isso "está a tornar-se um alvo fácil de campanhas de desinformação para criar descontentamento na Europa e no ocidente", alerta o EDMO.

Outro dos avisos tem a ver com a desinformação sobre práticas discriminatórias contra cidadãos russos na União Europeia e "russofobia".

"A "russofobia" representa um problema real, especialmente na Europa oriental" e "este sentimento está a ser exagerado em infundadas ações discriminatórias contra cidadãos russos", refere o Observatório Europeu.

"Estamos atualmente a investigar estas tendências e forneceremos análises o mais rápido possível", afirma a entidade, no seu relatório semanal que analisa as últimas tendências sobre a desinformação sobre a guerra na Ucrânia.

O relatório destaca ainda cinco narrativas falsas ("fake news") que circulavam na semana em análise.

Uma delas tem a ver com o questionar a guerra, da sua realidade aos seus motivos, em que foram detetadas desinformações que apontavam que os media estavam a relatar falsamente sobre o conflito ou o foco no laboratório de armas biológicas na Ucrânia.

Outra das narrativas falsas tem a ver com informações não comprovadas sobre luta e rendição, com manobras militares fora do contexto.

Foi ainda detetada desinformação sobre a crise humanitária, onde se referia refugiados ucranianos violentos e exploradores dos países que os acolhem ou de forças armadas que impedem ajuda aos civis ou até sobre menores desacompanhados.

Regista-se também outras duas tendências de desinformação: representação distorcida quer sobre os ucranianos, quer sobre os russos.

No total, 738 análises foram fornecidas pelos parceiros de "fact-checkning" [verificadores de factos] do EDMO desde 24 de fevereiro e 57 durante a semana desde relatório (de 24 a 31 de março).

Em termos de meios utilizados para transmitir desinformação, 37% eram vídeos, 35% imagens e 28% texto.

O observatório EDMO salienta que "para ter uma compreensão completa da desinformação, o acesso a conjuntos de dados relevantes das plataformas "online" é fundamental", pois permitirá identificar atores, vetores, ferramentas, tendências e padrões.

Por essa razão, e tendo como foco a guerra na Ucrânia, a "taskforce" do EDMO para a desinformação na guerra da Ucrânia enviou um pedido às empresas Alphabet, Meta, Pinterest, Snapchat, Telegram, TikTok e Twitter para obter dados, mediante determinados parâmetros, e discriminados por Estado-membro.


"Esperamos receber essas informações" em tempo útil "e considerá-las um processo de "benchmarking" que esperamos que seja replicado regularmente", afirma o Observatório Europeu.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.276 civis, incluindo 115 crianças, e feriu 1.981, entre os quais 160 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4,1 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+