Tempo
|
A+ / A-

Mais de 200 mil ucranianos já denunciaram inimigos no Telegram

30 mar, 2022 - 16:00 • Daniela Espírito Santo

Governo ucraniano criou "chatbot" que permite reunir informações sobre posições inimigas.

A+ / A-

Mais de 200 mil ucranianos já forneceram informações sobre tropas russas no terreno através de um "chatbot" criado pelo governo da Ucrânia no serviço de mensagens instantâneas Telegram, desde o início da invasão russa ao país.

A informação foi avançada pelo vice-primeiro-ministro e ministro da Transformação digital da Ucrânia, Mykhailo Fedorov, no seu canal naquela rede social.

Também a Polícia de Patrulha da Ucrânia confirmou este cenário dizendo, também no Telegram que, "desde o início da ofensiva, mais de 200 mil ucranianos usaram o chatbot para relatar o paradeiro de soldados russos e os seus equipamentos".

"Estes relatórios em tempo real ajudaram a destruir um grande número de inimigos", é dito. Fica por saber, no entanto, quantas informações foram enviadas por essas 200 mil pessoas e de que forma foram utilizadas na prática pelo exército ucraniano.

"Todas as informações são enviadas para as Forças Armadas da Ucrânia", explica. O chatbot, um programa de computador que simula uma conversa com o utilizador, com uma série de respostas pré-definidas, foi atualizado nos últimos dias.

Segundo Fedorov, o sistema permite agora dar informações mais detalhadas sobre o exército russo, escolher o tipo de armamento encontrado, quantos ocupantes tem cada veículo bélico avistado por "civis" e enviar, inclusive, fotografias ou vídeos, tudo com o objetivo de geolocalizar o inimigo.

O chatbot Evorog (єВорог - que significa, numa tradução livre "E-inimigo") pode ser acedido através do Telegram no canal https://t.me/evorog_bot, mas atenção: apenas cidadãos ucranianos autenticados conseguem enviar informações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+