Tempo
|
A+ / A-

Zelensky rejeita ultimato da Rússia para entregar cidade de Mariupol

21 mar, 2022 - 19:28 • Lusa

O chefe de Estado voltou a sublinhar que o povo ucraniano rejeita a presença das forças russas.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, defendeu esta segunda-feira que o seu país não poderá aceitar o ultimato feito pela Rússia para entregar a cidade estratégia de Mariupol, porque o povo ucraniano rejeita a presença das forças russas.

"A Ucrânia não será capaz de cumprir o ultimato. Nós não poderemos fazê-lo fisicamente. Como é que isso pode ser feito? Eles teriam que eliminar-nos a todos e então o seu ultimato seria cumprido automaticamente", realçou Volodymyr Zelensky durante uma entrevista com órgãos de comunicação social europeus.

Volodymyr Zelensky deu como exemplo: "Entreguem-nos Kharkiv, entreguem-nos Mariupol, entreguem-nos Kiev. Nem o povo de Kharkiv, de Mariupol ou de Kiev podem fazer isso".

O chefe de Estado ucraniano realçou que mesmo em cidades já ocupadas pelos russos, como Melitopol ou Berdyansk, quando as forças russas entram o povo não se rende.

"[Os russos] levantam a bandeira, o povo tira-a. Mataram um homem, sim, as pessoas escondem-se, mas à noite eles saem e derrubam a bandeira novamente. O que é que querem? Destruírem-nos a todos? Só podemos cumprir o ultimato quando não estivermos mais aqui", salientou.

A cidade portuária de Mariupol, no sudeste da Ucrânia, tem sido foco de combates com forças russas, que aplicaram um cerco que dura há vários dias, sem final à vista.

Cerca de 400.000 pessoas ficaram presas em Mariupol durante mais de duas semanas, enquanto decorriam fortes bombardeamentos russos que cortaram a eletricidade, aquecimento e abastecimento de água, segundo fontes das autoridades locais.

A Rússia pediu no domingo que as forças ucranianas se rendessem e deixassem Mariupol "sem armas", algo que Kiev descreveu como um "delírio".

O ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, disse esta segunda-feira que a resistência de Mariupol, fortemente bombardeada pelos russos durante dias, está "a salvar" outras cidades, como Dnipro, Kiev e Odessa, da intensificação de uma ofensiva contra elas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+