Tempo
|
A+ / A-

Procuradoria russa pede 13 anos de prisão para Navalny

15 mar, 2022 - 12:05 • Olímpia Mairos , com agências

Navalny está preso na Rússia desde janeiro de 2021. O político tem deixado uma série de mensagens nas redes sociais criticando a invasão da Ucrânia.

A+ / A-

O Ministério Público russo pede 13 anos de prisão para o opositor Alexei Navalny num caso de fraude e de ofensas ao tribunal.

“Peço que seja imposta uma pena de prisão de 13 anos”, disse a procuradora Nadezhda Tikhonova, citada pela agência de notícias russa TASS.

O principal opositor russo, de 45 anos, é acusado de ter desviado para fins pessoais mais de 4,1 milhões de euros de donativos feitos às suas organizações, além de “ofensas ao tribunal” durante as audiências anteriores.

O caso por “fraude” foi iniciado em dezembro de 2020, quando Navalny estava em convalescença na Alemanha, depois de ter sobrevivido ao envenenamento com uma substância neurotóxica, uma arma química de fabrico russo para uso militar chamada Novichok, pelo qual ele responsabiliza o Presidente russo, Vladimir Putin.

Navalny cumpre atualmente a sua pena de dois anos e meio num estabelecimento prisional em Pokrov, 100 quilómetros a leste de Moscovo.

Inimigo declarado do Kremlin (Presidência russa), Alexei Navalny foi detido em janeiro de 2021 ao regressar ao país após vários meses de convalescença na Alemanha.

A sua condenação desencadeou uma chuva de críticas internacionais e insistentes pedidos de libertação, além da imposição de novas sanções ocidentais à Rússia.

De acordo com o jornal The Guardian, o político tem feito uma série de postagens nas redes sociais criticando a invasão da Ucrânia pelo líder russo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+