Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia afeta luta contra a fome. PAM gasta mais 70 milhões

15 mar, 2022 - 18:00 • Carla Fino, com redação

À Renascença, Pedro Mato, do Programa Alimentar Mundial, diz que a prioridade nesta altura é o trabalho em três frentes da guerra na Ucrânia, uma das quais é mais complicada e prendem-se com a ajuda às populações sitiadas.

A+ / A-

Veja também:


A partir da Hungria, o Programa Alimentar Mundial (PAM) está a preparar uma gigantesca operação de ajuda a quem foi apanhado pela guerra, prevista para ajudar pelo menos três milhões de ucranianos.

Precisamente na Hungria, a ajudar a montar essa operação, está o português Pedro Matos, que pertence à ajuda de emergência do Programa Alimentar Mundial.

Em declarações à Renascença, Pedro Matos diz que este conflito já está a ter um impacto muito grande na organização, sobretudo no acesso aos cereais, a base da alimentação de muitas populações mundiais.

“A Ucrânia e a Rússia exportam 30% dos cereais mundiais, os dois países representam metade das compras de cereais do PAM, o que quer dizer que com a falta de acesso da Ucrânia ao Mar Negro ou com as sanções à Rússia, tivemos que ir comprar comida a outros sítios. Estamos neste momento a gastar cerca de 70 milhões de dólares a mais, por mês, no aumento do custo.”

“Em média, alimentamos uma pessoa com 15 euros por mês, o equivalente a meio euro por dia. Portanto, ao aumentar o preço dos cereais a nível global isto significa que vai ser mais caro alimentar estas pessoas e vamos alimentar menos pessoas com o mesmo dinheiro”, explica.

À Renascença, Pedro Matos diz que a prioridade nesta altura é o trabalho em três frentes da guerra na Ucrânia, uma das quais é mais complicada e prendem-se com a ajuda às populações sitiadas.

“Temos que trabalhar essas três frentes: nos refugiados nos países à volta, nas populações deslocadas internas para ver se elas não se tornam refugiadas e se as podemos ajudar nos sítios onde elas estão deslocadas e, depois, a ajuda às populações sitiadas, o que tem que ser negociado com quem quer que esteja a dominar essas zonas”, afirma.

O português do Programa Alimentar Mundial sublinha que, "como a Ucrânia é um celeiro mundial, há muitos desses sítios que têm reservas de cereais”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+