Tempo
|
A+ / A-

Vacinação Covid-19. Reino Unido começa a administrar quarta dose no fim de março

14 mar, 2022 - 16:38 • Redação com Lusa

A quarta dose "será para qualquer pessoa com mais de 75 anos, qualquer pessoa que viva numa residência de idosos ou qualquer pessoa imunossuprimida", revelou o ministro da Saúde, Sajid Javid, esta terça-feira.

A+ / A-

Apesar de desvalorizar o recente aumento dos casos de infeção, o Governo britânico vai arrancar no final de março com o programa de quartas doses de vacinas contra a covid-19, revelou o ministro da Saúde, Sajid Javid, esta terça-feira.

A quarta dose, adiantou Javid à estação pública "BBC", "será para qualquer pessoa com mais de 75 anos, qualquer pessoa que viva numa residência de idosos ou qualquer pessoa imunossuprimida".

As autoridades continuam a acompanhar diariamente a evolução da pandemia, mas vincou que “não há nada nos dados neste momento que nos dê qualquer motivo de preocupação", disse o ministro.

"Embora estejamos a observar um aumento modesto nas infecções nos últimos dias, isso é esperado, pois abrimos o país e vemos mais sociabilização”, insistiu.

O Reino Unido levantou a maioria das restrições em Inglaterra, incluindo o fim do isolamento profilático obrigatório para casos positivos, uma medida altamente controversa na estratégia do primeiro-ministro, Boris Johnson, de ”viver com a Covid”.

Escócia e País de Gales, cujos governos autónomos têm soberania sobre as questões de saúde, ainda mantêm a obrigatoriedade de isolamento.

O número de casos com a linhagem BA.2 da variante Omicron, considerada mais transmissível do que a linhagem BA.1, tem vindo a subir significativamente nas últimas semanas, mas ainda não é dominante.

O ministro da Saúde britânico disse que foi identificado apenas "um punhado" de casos de ‘Deltacron’, uma nova variante do coronavírus batizada assim por ter mutações das variantes Delta e Ómicron.

"A variante dominante aqui no Reino Unido - 99,9 infecções, em termos percentuais, são infecções Omicron e, embora a taxa tenha subido modestamente nos últimos dias, isso é esperado (…). Mas não há nada nos dados neste momento que nos dê qualquer motivo de preocupação”, afirmou Javid.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+