Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Vice-presidente da Comissão Europeia avisa: Putin não vai ficar apenas pela Ucrânia

08 mar, 2022 - 14:15 • Rosário Silva

Valdis Dombrovskis, que cresceu no ambiente da ex-União Soviética, acredita que Vladimir Putin pode vir a desafiar a NATO através dos três países bálticos que integram a União Europeia.

A+ / A-

Veja também:


O aviso chega pela voz do vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis: se o Presidente russo não for travado na Ucrânia, pode ir mais longe na sua incursão militar.

“É provável que Vladimir Putin amplie as suas ambições militares e desafie a NATO nos países do mar Báltico da Lituânia, Letónia e Estónia, a menos que seja travado na Ucrânia”, advertiu o também responsável pelas pastas económicas e financeiras da União Europeia (UE), em entrevista ao jornal POLITICO Europe.

Valdis Dombrovskis que cresceu no seio da ex-União Soviética, voltou a reforçar que a UE tem mesmo de levar a sério a ameaça russa, depois de anos de equívoco por parte de Bruxelas relativamente a Moscovo.

"Se não apoiarmos a Ucrânia, esta ação não vai parar, pois é evidente que Putin está agora em clima de guerra agressivo e, infelizmente, é provável que esta agressão continue noutros países", referiu o antigo primeiro-ministro da Letónia.

A Lituânia, a Letónia e a Estónia, hoje países que integram a UE e a NATO, são agora “uma preocupação”, de acordo com o vice-presidente da Comissão Europeia.

"Se olharmos para a escalada da retórica agressiva da Rússia e mesmo para as declarações, segundo as quais a Rússia apoia os interesses bielorussos em ter acesso ao mar Báltico, e para a crescente retórica anti-báltico, bem, na Ucrânia também começou com a crescente retórica anti-ucraniana", recorda.

De resto, já não é de agora que Dombrovskis alerta para a ameaça que chega da Rússia, com os países bálticos na mira de Putin, um presidente que está longe de estar pacificado.

"Até que ponto estamos a ceder a esta chantagem que pode ser usada a qualquer hora, contra tudo e todos?”, questiona, o responsável.

“Putin vai continuar as suas guerras agressivas e vai sempre usar a chantagem", refere, lembrando que “são lições que já deveriam ter sido aprendidas”.

Para o governante “o apaziguamento do agressor não está a funcionar”, sendo necessário detê-lo “por todos os meios".

Nestas declarações, Dombrovskis mostra-se igualmente cético em relação às aberturas diplomáticas a Putin, questionando se trazem “resultados tangíveis em termos por termo à guerra ou, pelo menos, proporcionar um cessar-fogo ou corredores humanitários”.

“Atualmente, nenhum destes, infelizmente, se materializou", lamenta, recordando os esforços que têm sido feitos, nomeadamente, pelo Presidente francês Emmanuel Macron.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    08 mar, 2022 Lisboa 15:30
    Haja alguém sem pálas nos olhos e que já percebeu que Putin só é parado se encontrar pela frente um bloco militar pronto para lhe resistir. Apelos à paz e contenção, para ele são declarações de fraqueza, tal como quando ele ameaça com o nuclear, o Ocidente não lhe recordar de imediato, que armas nucleares o Ocidente também tem, e se as "dele" fazem estragos, as "nossas" também. Quanto aos países bálticos, uma coisa foi a NATO não combater pela Ucrânia com o pretexto que esta não é membro da NATO. Mas será de todo em todo completamente inaceitável, se um País da NATO for atacado pela Rússia e a NATO nada fizer, ou andar a arranjar desculpas para não combater.

Destaques V+