Tempo
|
A+ / A-

Nuclear. Diretor da AIEA disponível para ir a Kiev negociar segurança das centrais

04 mar, 2022 - 11:38 • Olímpia Mairos

O ataque à central de Zaporíjia, na zona sul da Ucrânia, terá provocado três mortos e dois feridos, segundo o último balanço.

A+ / A-

Veja também:


O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) confirmou que a central nuclear de Zaporíjia está a ser controlada pelas tropas russas.

Em conferência de imprensa, a partir de Viena, Rafael Grossi pediu um cessar-fogo para garantir a segurança das central nuclear, que é a maior da Europa, e disponibilizou-se para mediar as negociações entre russos e ucranianos.

“Dei a indicação quer aos russos, quer aos ucranianos da minha disponibilidade para viajar para Chernobyl o mais rápido possível. A ideia nesta minha iniciativa como diretor da agência de energia atómica é conseguir um acordo, um enquadramento, e alcançar um compromisso que não ponha em causa estes princípios com que todos concordamos”, disse Rafael Grossi.

Uma eventual viagem do diretor-geral da AIEA poderia acontecer depois de sábado, dia em que regressa e Teerão.

O diretor-geral da AIEA defende ser "tempo de agir", na sequência do ataque que danificou um edifício da central nuclear durante a madrugada.

Grossi disse que "os sistemas de segurança dos seis reatores da central não foram de todo afetados" e que "não houve fuga de material radioativo", mas confirmou que durante a noite um projétil atingiu um edifício no complexo.

“Não houve libertação de material radioativo. O importante, neste momento, é monitorizar os níveis de radiação e garanto que estão a funcionar em pleno”, defendeu.

Segundo Grossi, “temos uma situação insustentável”, realçando que o que aconteceu na noite de quinta-feira “é prova disso”.

“Eu já o digo há dias, estou extremamente preocupado. Estamos perante uma situação muito frágil e instável”, alerta.

A companhia estatal que gere as centrais nucleares da Ucrânia, a NNEGC Energoatom, avança que morreram três militares ucranianos no ataque à central de Zaporíjia. O diretor da Agência Internacional de Energia Atómica já tinha confirmado dois feridos, ambos seguranças no local.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+