Tempo
|
A+ / A-

"A Rússia cortou todas as pontes de comunicação", diz Santos Silva

04 mar, 2022 - 09:08 • Olímpia Mairos , com Redação

Ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO estão em Bruxelas para uma reunião extraordinária do Conselho do Atlântico Norte. A invasão da Rússia à Ucrânia é o único ponto da agenda de trabalhos.

A+ / A-

Veja também:


À chegada para a reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO e da União Europeia, o ministro Augusto Santos Silva afirmou que os governantes ali reunidos tomaram, "evidentemente", nota "do resultado positivo mas ainda muito insatisfatório" que saiu do encontro das delegações russa e ucraniana.

Questionado se vai existir um reforço de posição da NATO, Santos Silva lembrou que, "infelizmente", a nível político, "a Rússia cortou todas as pontes de comunicação".

"Mas estou certo de que os ministros insistirão na necessidade de manter contactos, pelo menos, ao nível, militar. É muito importante que os militares mantenham contactos entre si, para evitar cálculos errados, escaladas, incidentes indesejáveis. Certamente que esses contactos ao nível militar são importantes hoje, designadamente, entre a NATO e a Rússia", afirmou à entrada do quartel-general da NATO, em Bruxelas.

Os ministros estão em Bruxelas para uma reunião extraordinária do Conselho do Atlântico Norte. Participam também os ministros dos Negócios Estrangeiros da Finlândia e da Suécia, bem como o alto representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança.

Santos Silva diz acreditar que vai haver conciliação de interesses entre os 30 membros da NATO.

“Haverá certamente ocasião para concertação de posições entre os 30 aliados, firmeza na nossa capacidade de dissuasão na nossa postura defensiva, que estamos a reforçar no flanco leste da aliança, e também tomaremos nota do resultado positivo do ainda muito insatisfatório obtido ontem nas negociações diretas entre a Ucrânia e a Rússia com a abertura de corredores humanitários, que esperamos que sejam concretizados o mais brevemente possível”, disse o governante.

A Reunião dos ministros dos negócios estrangeiros da NATO antecede em poucas horas, uma outra reunião com os chefes da diplomacia da União Europeia.

A guerra na Ucrânia entrou no nono dia de combates. A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar com três frentes na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamentos em várias cidades. As autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças, e, segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de um milhão de refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia, entre outros países.

O Presidente Vladimir Putin justificou a "operação militar especial" na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.
O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional, e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas para isolar ainda mais Moscovo.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+