Tempo
|
A+ / A-

UNESCO exige que Rússia “cesse imediatamente” ataques a escolas e universidades na Ucrânia

03 mar, 2022 - 13:58 • Lusa

Os bombardeamentos já atingiram vários centros educacionais, entre eles, a Universidade Nacional Karazin, em Kharkiv. Também foram registados ataques contra sete cidades que são património da UNESCO.

A+ / A-

A UNESCO, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, exigiu esta quinta-feira que a Rússia "cesse imediatamente" os ataques contra escolas, universidades, locais de memória do Holocausto e infraestruturas de comunicação na Ucrânia

Em comunicado, a UNESCO anunciou também uma reunião extraordinária do seu conselho executivo no dia 15 de março para avaliar as consequências da invasão russa na Ucrânia, iniciada a 24 de fevereiro.

A UNESCO lamentou “as vítimas civis” do conflito, entre as quais “estudantes, professores, artistas, cientistas e jornalistas”, mas também mulheres e crianças, que estão a ser forçadas a um êxodo “desproporcional”.

A diretora-geral da UNESCO, a francesa Audrey Azoulay, denunciou “uma escalada de violência totalmente inaceitável, que causa a morte de civis, incluindo crianças”.

A agência da ONU não anunciou sanções específicas contra a Rússia, que é membro da instituição, sublinhando que a sessão do seu conselho executivo será para “examinar as repercussões e consequências da situação atual na Ucrânia sob todos os aspetos do mandato da UNESCO”.

A entidade condenou “veementemente” os bombardeamentos de centros educacionais, nomeadamente dos sete locais já atingidos, incluindo a Universidade Nacional Karazin, em Kharkiv.

Também registou os ataques contra sete cidades que são património da UNESCO, como a própria Kharkiv (leste da Ucrânia), Lviv (oeste) ou a capital Kiev, além de Odessa (sul).

A agência lamentou os danos causados pelos bombardeamentos em Kharkiv, considerada como uma cidade de música criativa pela UNESCO, bem como no centro da cidade de Tchernihiv, candidata a Património da Humanidade.

Referiu igualmente os danos causados pelas forças russas no museu Ivank, perto de Kiev, que contém obras da famosa artista ucraniana Maria Primachenko (1908-1997), representante da arte naïf.

Também condenou o ataque ao Memorial do Holocausto Babi Yar, em Kiev, onde ocorreu “um dos maiores massacres de judeus na Segunda Guerra Mundial”.

A UNESCO repudiou ainda o bombardeamento das torres de televisão em Kiev e expressou a sua “preocupação” com os ataques a jornalistas.

A invasão russa causou o encerramento de estabelecimentos educacionais que afetam seis milhões de estudantes entre os três e os 17 anos e 1,5 milhões de estudantes universitários.

“As repercussões, advertiu a UNESCO, podem ser consideráveis, também nos países vizinhos”.

A Rússia lançou há uma semana uma ofensiva militar na Ucrânia com três frentes e recorrendo a forças terrestres e bombardeamentos em várias cidades.

As autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças. A ONU já deu conta de mais de um milhão de refugiados.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+