Tempo
|
A+ / A-

República Checa declara estado de emergência face vaga de refugiados

03 mar, 2022 - 14:18 • Lusa

A República Checa, que durante a crise migratória provocada pelos conflitos no Médio Oriente foi um dos países europeus menos favoráveis ao acolhimento de refugiados, demonstra agora uma onda de solidariedade perante o conflito ucraniano.

A+ / A-
A República Checa declarou esta quinta-feira o estado de emergência, que entrará em vigor na sexta-feira e vai durar um mês, para lidar com a vaga de refugiados da guerra na Ucrânia, informou o chefe do executivo checo, Petr Fiala.

"Somos e seremos um país de destino", disse o primeiro-ministro conservador, lembrando que o seu Governo já emitiu 6.449 vistos de residência para refugiados ucranianos que fogem da invasão russa.

Fiala esclareceu que com o estado de emergência será possível prestar "cuidados mais eficazes" aos refugiados, envolvendo os recursos humanos e materiais dos governos regionais na ajuda aos que chegam ao país.

Praga também quer alterar a legislação no setor social, para permitir aos ucranianos um acesso mais fácil ao mercado de trabalho, sem a necessidade de solicitarem uma autorização.

A contratação de professores ucranianos também será facilitada para melhor acolher os filhos dos refugiados nas escolas.

Vit Rakusan, ministro do Interior checo, assegurou que o estado de emergência não terá impacto na população checa.

A República Checa, que durante a crise migratória provocada pelos conflitos no Médio Oriente foi um dos países europeus menos favoráveis ao acolhimento de refugiados, demonstra agora uma onda de solidariedade perante o conflito ucraniano.

De acordo com os 'media' locais, a população checa já arrecadou cerca de 40 milhões de euros em petições públicas.

A ajuda do executivo checo também se estende ao plano militar e o Governo de Petr Fiala disse ter enviado para a Ucrânia munições, armas e equipamentos médicos, no valor de cerca de 25 milhões de euros.

A Rússia lançou há uma semana uma ofensiva militar na Ucrânia com três frentes e recorrendo a forças terrestres e a bombardeamentos em várias cidades.

As autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças. A ONU já deu conta de mais de um milhão de refugiados.

O Presidente russo, Vladimir Putin, justificou a "operação militar especial" na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+