Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia. “Lojas de armas com as munições esgotadas"

23 fev, 2022 - 08:51 • João Cunha , Olímpia Mairos

Em Kiev, os ucranianos ainda levam a sua vida normal, mas o que se passa a leste do país tomou conta das conversas.

A+ / A-

O Ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros saudou o anúncio de sanções, dos Estados Unidos, da União Europeia e de várias outras nações. mas voltou a referir que são insuficientes.

Como adianta a jornalista da SIC Irina Shev, em serviço especial para a Renascença, "a opinião geral é que Putin sabia perfeitamente que a Rússia iria ser sancionada. Mas nem por isso se mostrou preocupado e deixou de considerar independentes os territórios separatistas".

Em protesto contra a decisão russa, uma centena de ucranianos protestou frente à embaixada da Rússia em Kiev e noutras cidades do país, como Mariupol, na costa sul do país.

"O maior deles foi nessa cidade de Mariupul, na entrada do Mar de Azov, onde mais de mil pessoas disseram que não querem ser a próxima cidade a ser tomada"

E, sem surpresa, os ucranianos viram o presidente Zelensky pedir aos reservistas para engrossar as fileiras militares da Ucrânia. E em resultado disso, "as lojas de armas estão com as munições esgotadas", diz a jornalista portuguesa, natural da Ucrânia, que sublinha que por esta altura, em Kiev, os ucranianos ainda levam a sua vida normal - sendo certo que o que se passa a leste do país tomou conta das conversas.

Já esta quarta-feira, Vladimir Putin, numa mensagem televisiva, disse que Moscovo está disposto a encontrar soluções diplomáticas com o Ocidente sobre a Ucrânia.

Contudo, e segundo a agência France Press, afirmou que “os interesses da Rússia e a segurança dos seus cidadãos não são negociáveis”.

“O nosso país está sempre aberto a um diálogo direto e honesto, para a busca de soluções diplomáticas para os problemas mais complexos”, disse Putin.

No entanto, o Presidente russo avisou que “os interesses da Rússia, a segurança dos nossos cidadãos, não são negociáveis”.

Na mensagem, Putin parabenizou os homens do seu país e disse estar certo do "profissionalismo" dos militares russos, que “defenderão os interesses nacionais do país”.

O Presidente russo falou da prontidão do exército russo e disse que o país continuará a desenvolver “armas de última geração”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+