Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia: Reconhecimento russo da independência de regiões separatistas é “rutura unilateral”

21 fev, 2022 - 21:56 • Lusa

Perante a gravidade da situação, o dirigente alemão manteve igualmente conversas de emergência com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, o Presidente francês, Emmanuel Macron, e “os parceiros mais próximos” da Alemanha, precisou o porta-voz do Governo, Steffen Hebestreit.

A+ / A-

Scholz emitiu esta declaração após uma conversa telefónica com o Presidente russo, Vladimir Putin, antes de este anunciar em discurso a decisão de reconhecer as duas “repúblicas” separatistas na região do Donbass ucraniano.

Perante a gravidade da situação, o dirigente alemão manteve igualmente conversas de emergência com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, o Presidente francês, Emmanuel Macron, e “os parceiros mais próximos” da Alemanha, precisou o porta-voz do Governo, Steffen Hebestreit.

Numa conversa telefónica hoje à tarde com o Presidente russo, Olaf Scholz “condenou o plano da Rússia visando reconhecer” as repúblicas separatistas pró-russas de Donetsk e Lugansk “como Estados independentes”, segundo um curto comunicado de Hebestreit.

“Uma tal iniciativa estará em flagrante contradição com os acordos de Minsk sobre a resolução pacífica do conflito no leste da Ucrânia”, segundo a mesma fonte.

O chanceler, que se deslocou na passada terça-feira a Moscovo, apelou novamente “para uma imediata inversão da escalada do conflito” e para a retirada das forças russas concentradas na fronteira com a Ucrânia, sublinhando “que é necessário agora respeitar o cessar-fogo e dar sinais de contenção, em particular no leste da Ucrânia”.

“A Rússia tem uma responsabilidade particular neste aspeto”, insistiu o porta-voz.

Vladimir Putin decidiu hoje que a Rússia vai reconhecer a independência das duas regiões separatistas pró-russas do leste da Ucrânia, correndo o risco de atear a pólvora, quando o Ocidente receia uma invasão da Ucrânia pelas tropas russas.

O reconhecimento da independência dessas regiões separatistas da Ucrânia como Estados representará o fim do processo de paz, e a Rússia tomará oficialmente sob a sua asa as regiões em causa que, na prática, já apoia militar e financeiramente.

Os acordos de Minsk, negociados em 2015 sob mediação franco-alemã, preveem a devolução dos territórios de Donetsk e Lugansk ao controlo de Kiev, por meio de eleições e de uma autonomia.

Mas a Ucrânia exige a retirada prévia dos separatistas armados controlados pela Rússia. Segundo Moscovo, Kiev está a levar a cabo manobras de diversão para sabotar o processo de paz.

O Presidente ucraniano convocou hoje o Conselho de Segurança Nacional e Defesa, após o anúncio do seu homólogo russo de que irá reconhecer a independência das repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk.

Na sua conta da rede social Twitter, Volodymyr Zelensky explica que tomou essa decisão “perante as declarações emitidas durante a reunião do conselho de segurança russo” e após conversas telefónicas com os líderes de França, Emmanuel Macron, e da Alemanha, Olaf Scholz.

Antes disso, Zelensky ordenara ao seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba, que pedisse uma reunião imediata do Conselho de Segurança da ONU para abordar medidas urgentes destinadas a obter uma inversão da escalada do conflito e a garantir a segurança do seu país.

Kuleba invocou o artigo 6 do Memorando de Budapeste (1994), que concedeu à Ucrânia garantias de segurança em troca da renúncia ao arsenal nuclear herdado da antiga União Soviética.

Durante a recente conferência de segurança de Munique, Zelensky instou o Ocidente a garantir a segurança da Ucrânia até que o país ingresse na NATO (Organização do Tratado do Atlântico-Norte), algo a que o Kremlin se opõe terminantemente.

O chefe da diplomacia ucraniana também negou as informações procedentes da Rússia de que Kiev tinha atacado o território das repúblicas de Donetsk e Lugansk, palco de uma intensificação das hostilidades desde a semana passada.

De facto, Kiev informou que dois soldados ucranianos e um civil morreram hoje nos ataques perpetrados pelas milícias pró-russas no Donbass.

Kiev considera que Moscovo e os separatistas pró-russos orquestraram uma campanha de desinformação sobre uma ofensiva ucraniana iminente, que levou os rebeldes a anunciar a mobilização geral dos homens maiores de idade e a retirada para a Rússia da população civil.

Em seguida, os dirigentes pró-russos pediram o reconhecimento da sua independência ao líder do Kremlin, Vladimir Putin, que hoje presidiu a uma reunião do conselho de segurança da Rússia para abordar esse assunto.

Putin, que defendeu em 2008 o reconhecimento da independência das regiões separatistas georgianas da Abkházia e da Ossétia do Sul, assegurou que anunciaria hoje a sua decisão.

A Rússia concedeu nos últimos anos a cidadania a cerca de 700.000 residentes nas zonas pró-russas de Donbass, que participaram inclusive nas eleições legislativas de setembro passado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+