Tempo
|
A+ / A-

Tensão Ucrânia/Rússia

Joe Biden. Ataque à Ucrânia continua a ser "forte possibilidade" e terá "custos imensos"

15 fev, 2022 - 21:46 • Redação com Lusa

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse esta terça-feira que ainda há "margem para a diplomacia para impedir a escalada" militar russa na Ucrânia, dizendo que a Casa Branca apresentou "ideias concretas" para estabelecer "um ambiente seguro na Europa".

A+ / A-

O Presidente dos Estados Unidos avisa que uma invasão da Ucrânia continua a ser uma forte possibilidade.

Reagindo, esta noite, ao anúncio do ministério da Defesa russo, sobre a retirada de várias unidades militares da zona de fronteira com a Ucrânia, Joe Biden alertou para o que diz serem os elevados custos de um eventual ataque de Moscovo.

"Se a Rússia invadir nos dias ou semanas seguintes, o custo humano para a Ucrânia será imenso. E o custo estratégico para a Rússia também será imenso. Se houver um ataque à Ucrânia, o mundo não vai esquecer que a Rússia escolheu a morte e a destruição desnecessárias. Invadir à Ucrânia será uma ferida autoinfligida. OS EUA e os nossos aliados vão responder de forma decisiva. O Ocidente está unido e galvanizado. Os nossos aliados da NATO e a própria aliança está unida e determinada como nunca esteve", disse numa declaração na Casa Branca.

Biden acredita que ainda há "margem para a diplomacia para impedir a escalada" militar russa na Ucrânia, dizendo que a Casa Branca apresentou "ideias concretas" para estabelecer "um ambiente seguro na Europa".

Discursando na Casa Branca em Washington, Joe Biden adiantou que a diplomacia é a "melhor forma para todas as partes".

"Iremos continuar com os nossos esforços diplomáticos, com consultas estreitas com os nossos aliados e com os nossos parceiros. Enquanto houver diplomacia que impeça o sofrimento e o uso da força iremos continuar a fazê-la", salientou, num discurso sem direito a perguntas dos jornalistas.

De acordo com chefe de Estado, os Estados Unidos propuseram "novas medidas de controlo de armamento, novas medidas de estabelecimento de manutenção de estabilidade", alertando a Rússia de uma possível interferência norte-americana.

"Não iremos sacrificar os nossos princípios básicos. As nações têm direito à sua soberania territorial e à liberdade de escolher o seu próprio caminho. Escolher o tipo de ambiente que desejam viver", indicou.

Joe Biden referiu ainda que o Ministério da Defesa russo disse que algumas unidades militares estavam a abandonar as fronteiras com a Ucrânia, mas sem "provas consistentes".

"O Ministério da Defesa russo relatou que algumas unidades militares estão a abandonar algumas das suas posições na Ucrânia. Isso será um bom sinal... Ainda não o verificamos de forma consistente, ainda não houve essa prova consistente. A nossa embaixada [norte-americana] indica que ainda se mantêm em posições ameaçadoras", alertou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+