Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Bruxelas propõe extensão de certificado digital até junho de 2023

03 fev, 2022 - 12:04 • Lusa

Executivo comunitário sublinha que o novo coronavírus continua a ser prevalecente na UE e a extensão do certificado irá facilitar a vida e deslocações dos cidadãos europeus.

A+ / A-

A Comissão Europeia propôs a prorrogação do Certificado Digital Covid da UE por um ano, até 30 de junho de 2023, e a inclusão de teste de antigénio de alta qualidade.

O executivo comunitário salienta, em comunicado, que o coronavírus SARS-CoV-2 continua a ser prevalecente na União Europeia e a extensão do certificado irá facilitar a vida e deslocações dos cidadãos europeus.

A Comissão propõe ainda que sejam emitidos certificados para testes de antigénio de alta qualidade baseados em laboratório e que sejam incluídas as pessoas que participam em ensaios clínicos de vacinas.

Para assegurar que a prorrogação seja adotada antes de 30 de junho de 2022, a atual data final do Regulamento da UE relativo ao Certificado Digital Covid, a Comissão Europeia apela ao Parlamento Europeu e ao Conselho para que adotem rapidamente a proposta hoje apresentada.

Até 31 de Março de 2022, a Comissão publicará também um segundo relatório sobre o regulamento.

Mais de 1,2 mil milhões de certificados emitidos

Os Estados-membros emitiram já mais de 1,2 mil milhões de certificados tendo, em 21 de dezembro de 2021, sido adotadas novas regras relativas ao Certificado Digital Covid da UE, estabelecendo, para efeitos de viagem, um período de aceitação vinculativo de 9 meses (precisamente 270 dias) para os certificados de vacinação que indicam a conclusão da série primária.

Estas regras começaram a ser aplicadas a partir de 1 de fevereiro de 2022.

O Certificado Digital Covid da UE é uma prova digital de que uma pessoa foi vacinada contra a covid-19, recebeu um resultado negativo num teste PCR ou antigénio reconhecido ou recuperou da doença.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.686.108 de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China. A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante do mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+