Tempo
|
A+ / A-

Polinésia

Tsunami no Tonga. Imagens da destruição começam a surgir

18 jan, 2022 - 08:20 • Sofia Freitas Moreira com Lusa

Com a ilha coberta de cinzas vulcânicas, de acordo com imagens aéreas, a tarefa de avaliar os danos é dificultada porque "as comunicações são pobres".

A+ / A-

As autoridades de Tonga anunciaram, esta terça-feira, que registaram pelo menos dois mortos após a erupção de sábado de um vulcão submarino, um dos mais violentos do mundo em 30 anos, seguido de um tsunami. Um dos mortos era um cidadão britânico.

O alto comissário de Tonga em Camberra, Curtis Tu'ihalangingie, disse que os aviões australianos e da Nova Zelândia, bem como a marinha Tongan estão a tentar avaliar os danos causados pela erupção da Hunga Tonga Hunga Ha'apai no arquipélago de 169 ilhas. Observam-se muitas dificuldades em avaliar o impacto do tsunami na remota nação insular do Pacífico Sul.

O Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários das Nações Unidas (OCHA) afirmou numa declaração no dia anterior que havia danos "significativos", bem como feridos menores e duas pessoas desaparecidas. OCHA salientou também que ainda não há contacto com as pessoas no arquipélago de Ha'pai, dizendo que as preocupações se concentram principalmente em Manga e Fonoi, duas ilhas que estão alinhadas com o mar.

Com a nação coberta de cinzas vulcânicas, de acordo com imagens aéreas, a tarefa de avaliar os danos é dificultada porque "as comunicações são pobres", uma vez que só as chamadas locais ou internacionais podem ser feitas por satélite.

O Alto Comissariado da Nova Zelândia em Tonga afirmou na segunda-feira que havia relatos de "danos significativos" na costa ocidental de Tongatapu, a principal ilha do país, incluindo a zona costeira da capital, Nuku'alofa.

O Hunga Tonga Hunga Ha'apai, localizado 65 quilómetros a norte da capital Tonga, atirou vapor e cinzas a cerca de 20 quilómetros de altura no sábado e criou um tsunami, danificando o cabo submarino que transporta a ligação de Internet a partir das Fiji.

A Cruz Vermelha estima que cerca de 80 mil dos 105 mil habitantes foram afetados por esta catástrofe natural, os peritos não excluem outros incidentes de atividade vulcânica.

A erupção foi a maior desde Pinatubo nas Filipinas em 1991, com o estrondo cataclísmico ouvido nas Fiji a mais de 750 km de distância.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+