Tempo
|
A+ / A-

EUA

Suspeito de sequestro no Texas era britânico. Dois adolescentes detidos em Inglaterra

17 jan, 2022 - 09:33 • Sofia Freitas Moreira com agências

Sequestro em sinagoga no Texas aconteceu no sábado. O suspeito de 44 anos acabou por morrer na operação e foi identificado como um cidadão britânico.

A+ / A-

As autoridades norte-americanas identificaram o homem que no sábado sequestrou quatro pessoas numa sinagoga do Texas, nos Estados Unidos, como sendo um cidadão britânico de 44 anos.

O sequestro na sinagoga da congregação Beth Israel situada na pequena localidade de Colleyville, a 40 quilómetros de Dallas, durou dez horas até que uma equipa de intervenção do FBI entrou no edifício, libertando os reféns. Ouvidos disparos e uma explosão, o sequestrador morreu na operação, desconhecendo-se se morto pela polícia federal ou se por suicídio.

As autoridades americanas lançaram uma investigação de "âmbito internacional" sobre o suspeito, que no domingo identificaram como sendo o britânico Malik Faisal Akram, mas ainda não são totalmente claros os motivos do sequestro.

“Nesta altura, não há indicação do envolvimento de mais ninguém”, disse a polícia federal americana, em comunicado, acrescentando que as investigações continuam.

A Scotland Yard confirmou que oficiais da polícia antiterrorista britânica estiveram “em contacto com autoridades americanas e colegas do FBI".

Segundo fontes policiais norte-americanas, Akram chegou ao país através do Aeroporto Internacional JFK de Nova Iorque há duas semanas.

De acordo com a agência Reuters, dois adolescentes foram detidos em Inglaterra, no sul de Manchester, no âmbito da investigação, não sendo conhecidas as idades ou géneros dos jovens.

A polícia local de Manchester disse estar a estabelecer ligações com as comunidades locais e a continuar a ajudar no inquérito dos EUA.

Os dois adolescentes foram presos "como parte da investigação em curso sobre o ataque" e estavam a ser detidos para interrogatório, disse ainda a polícia.

Biden fala em ato de terrorismo

Em Filadélfia, o Presidente dos Estados Unidos classificou o sucedido como um "ato de terrorismo" e confirmou os relatos de que o sequestrador pediu a libertação de Aafia Siddiqui, neurocientista paquistanesa condenada por um tribunal americano a 86 anos de prisão, e que está detida no hospital-prisão de Fort Worth, perto de Dallas.

O agente especial responsável pela operação de resgate, Matt DeSarno, já tinha dito antes que, com base nas longas e tensas negociações com a polícia, não pareceu que o sequestrador tivesse como alvo a comunidade judaica.

Como o serviço religioso de sábado estava a ser transmitido em direto através do Facebook, o sequestrador pôde ser ouvido por várias pessoas. "Há algo de errado com a América", disse o homem, de acordo com a agência AFP, que seguiu a transmissão até esta ser interrompida pelo Facebook.

"Eu vou morrer", disse também, pedindo repetidamente a um interlocutor não identificado para falar ao telefone com a sua “irmã", referindo-se a Aafia Siddiqui, condenada em 2010 por alegadamente tentar matar militares norte-americanos e agentes do FBI, enquanto se encontrava sob custódia no Afeganistão.

Aafia Siddiqui, de 49 anos, foi a primeira mulher suspeita pelos Estados Unidos de ligações com a rede islâmica responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, o que lhe valeu a alcunha de "Lady Al-Qaeda".

Foi para os Estados Unidos aos 18 anos, para morar com o irmão e estudar na prestigiada universidade MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), em Boston, obtendo depois um doutoramento em neurociência pela Brandeis University.

A sua libertação tem sido exigida por muitos, desde logo pelo Paquistão.

Siddiqui "absolutamente não está envolvida" na tomada de reféns, assegurou à CNN o seu advogado, em comunicado.

Também John Floyd, presidente do maior conselho islâmico dos Estados Unidos, garantiu que o irmão de Aafia, Muhammad Siddiqui, não está envolvido no sequestro.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+