Tempo
|
A+ / A-

Festas semanais em Downing Street? Notícias ajudam a denegrir imagem de Boris Johnson

15 jan, 2022 - 13:52 • Lusa

A indignação cresce mesmo dentro das fileiras conservadoras do primeiro-ministro britânico, que luta para se manter no poder.

A+ / A-

As festas em Downing Street durante o confinamento realizavam-se todas as sextas-feiras, noticia neste sábado o jornal "The Mirror", aumentando a lista de acusações dirigidas ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, cuja posição parece cada vez mais fragilizada.

Envolvido na polémica das festas durante o confinamento, o conservador de 57 anos é criticado pela maioria e enfrenta a pior crise desde a sua tomada de posse em julho de 2019.

Na quarta-feira, Boris Johnson pediu desculpa ao Parlamento por ter participado numa festa em maio de 2020, alegando que tinha pensado tratar-se de uma reunião de negócios.

Mas, desde então, outras revelações surgiram, incluindo a da realização de uma festa em Downing Street – sem Boris Johnson – na véspera do funeral do Príncipe Filipe, em abril de 2021. Elizabeth II assistiu sozinha ao funeral do seu marido na capela do Castelo de Windsor, uma imagem simbólica dos rigores do confinamento.

Neste sábado, o jornal "The Mirror" revela que todas as sextas-feiras o pessoal de Downing Street terminava a sua semana de trabalho partilhando copos de vinho, uma "longa tradição" que continuou apesar das restrições relacionadas com a Covid-19 que proibiam tais reuniões.

O jornal acrescentou que o pessoal tinha investido num frigorífico para manter as garrafas de álcool frescas e que o primeiro-ministro estava ciente das reuniões.

A indignação cresce mesmo dentro das fileiras conservadoras de Johnson, enquanto o primeiro-ministro britânico luta para se manter no poder.

De acordo com a imprensa local, foi pedido aos seus apoiantes que elogiassem as suas políticas, incluindo a implementação do Brexit, e será pedido a alguns dos seus colaboradores que saiam.

Enquanto isso, o líder da oposição trabalhista, Keir Starmer, exige a sua demissão.

"Estamos a assistir ao triste espetáculo de um primeiro-ministro atolado em enganos e artimanhas, incapaz de liderar", afirmou, num discurso proferido hoje.

Contudo, o próprio Keir Starmer foi acusado de hipocrisia, devido a fotografias que o mostram a beber cerveja com um pequeno grupo de funcionários trabalhistas num escritório em maio passado, numa altura em que as reuniões internas eram proibidas, exceto as de caráter estritamente profissional.

Quando a fotografia foi publicada pela primeira vez, no ano passado, o seu partido argumentou que Keir Starmer não tinha quebrado nenhuma regra porque ele estava num "local de trabalho".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+