Tempo
|
A+ / A-

Líder deposta de Myanmar condenada a mais quatro anos de prisão

10 jan, 2022 - 07:46 • Olímpia Mairos com agências

Aung Sang Suu Kyi foi considerada culpada de posse sem licença de vários “'walkie-talkies” e de um bloqueador de sinal.

A+ / A-

A antiga líder de Myanmar (antiga Birmânia) foi condenada esta segunda-feira a mais quatro anos de prisão.

Desta vez, Aung Sang Suu Kyi foi considerada culpada de posse sem licença de vários “'walkie-talkies” e de um bloqueador de sinal.

Um porta-voz da junta confirmou o veredito à agência de notícias France-Presse (AFP), adiantando que Suu Kyi permaneceria em prisão domiciliária enquanto fosse julgada.

Segundo a agência Reuters, alguns grupos ligados aos direitos humanos já criticaram a sentença, considerando-a “uma farsa” e um “circo do tribunal”.

A galardoada com o Prémio Nobel da Paz em 1991, de 76 anos, sob prisão domiciliária desde o golpe militar de 1 de fevereiro de 2021, foi considerada culpada, entre outras coisas, de importar ilegalmente 'walkie-talkies'.

Aung Sang Suu Kyi já tinha sido condenada a outros quatro anos de prisão por alegadamente violar as regras de prevenção da Covid-19.

A antiga líder de Myanmar tem sido alvo de várias acusações, incluindo incitamento à corrupção, sedição e fraude eleitoral, arriscando dezenas de anos de prisão se vier a ser condenada pelos crimes de que é acusada.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+