Tempo
|
A+ / A-

Imprensa

Morreram 45 jornalistas no exercício das suas funções em 2021

30 dez, 2021 - 02:32 • Lusa

O México surge no topo da lista anual de profissionais de imprensa mortos em funções, seguindo-se a Índia e o Afeganistão.

A+ / A-

Um total de 45 jornalistas morreram, em 2021, no exercício da sua profissão, sendo o México o país mais perigoso do mundo para os repórteres. Informação divulgada, esta quinta-feira, pelo Instituto Internacional de Imprensa, em Viena.

Sete jornalistas mexicanos foram assassinados este ano em funções, pelo que o país latino-americano volta a liderar a lista anual de profissionais de imprensa mortos em funções.

Seguem-se a Índia e o Afeganistão, com seis jornalistas mortos, o dobro da República Democrática do Congo, com três.

Em 2020, 55 jornalistas morreram em todo o mundo, 11 dos quais no México.

Instituto Internacional Imprensa apela à proteção dos jornalistas

De acordo com o Instituto Internacional Imprensa, uma rede global de proprietários e editores de media, a segurança dos jornalistas continua a ser um desafio à escala global.

Por isso, o Instituto "desafia as autoridades a pôr fim à impunidade para com estes crimes e a garantir a proteção dos jornalistas, que devem ter condições para exercer o seu trabalho de forma livre e segura".

Dos 45 jornalistas mortos, 40 era homens e cinco eram mulheres, detalhou o Instituto.

Destes, 28 foram mortos devido ao seu trabalho, três morreram enquanto trabalhavam em zonas de conflito e dois quando cobriam distúrbios no seu próprio país.

Em 11 casos, as causas de morte ainda estão a ser investigadas, enquanto, noutra situação, um jornalista morreu afogado quando acompanhava o resgate de um elefante num rio na Índia.

Ainda assim, o número de jornalistas mortos registado este ano pelo Instituto é o menor desde 1997.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+