Tempo
|
A+ / A-

Migrantes

Macron não vai permitir que o Canal da Mancha "se torne num cemitério"

24 nov, 2021 - 21:29 • Lusa

Presidente francês reage à tragédia que vitimou, pelo menos, 31 pessoas que tentavam fazer a travessia entre a França e o Reino Unido. Do lado britânico, Boris Johnson declara-se "chocado, revoltado e profundamente triste".

A+ / A-

Emmanuel Macron e Boris Johnson prometem novas medidas para travar as travessias ilegais de migrantes no Canal da Mancha, após um naufrágio em que terão morrido pelo menos 31 pessoas.

Afirmando-se "chocado, revoltado e profundamente triste" com o mais recente naufrágio no Canal da Mancha, o primeiro-ministro do Reino Unido afirmou que o Governo britânico tem tido "dificuldade em persuadir alguns parceiros, especialmente os franceses, a agirem à altura da situação".

"Mas entendo as dificuldades que todos os países estão a enfrentar", disse Johnson, após uma reunião de crise em Downing Street.

"O que queremos agora é fazer mais, juntos. É isso que estamos a propor", acrescentou o primeiro-ministro britânico, referindo-se à cooperação com o Governo francês.

"Este desastre destaca o quão perigoso é cruzar o Canal da Mancha desta forma. Também mostra como é vital intensificar os nossos esforços para quebrar o modelo de negócio dos contrabandistas que enviam pessoas para o mar dessa forma", acusou Boris Johnson.

"Digo aos nossos parceiros do Canal que chegou o momento de todos nos mobilizarmos, trabalharmos juntos para fazer tudo o que for possível para acabar com esta situação", acrescentou o líder britânico.

Já o Presidente de França referiu que o seu país não irá permitir que o Canal da Mancha "se torne num cemitério".

O chefe de Estado francês pediu "o reforço imediato dos recursos da agência Frontex nas fronteiras externas da União Europeia" e apelou também a "uma reunião de emergência dos ministros europeus com a pasta do desafio da migração".

Pelo menos 31 migrantes morreram esta quarta-feira quando tentavam atravessar o Canal da Mancha, que liga França ao Reino Unido, na sequência do naufrágio de uma embarcação ao largo de Calais, revelou o ministro do Interior francês.

Gerald Darmanin explicou que estariam 34 pessoas a bordo da embarcação e que as autoridades encontraram 31 corpos e resgataram dois sobreviventes.

Uma pessoa continua ainda desaparecida e as equipas de salvamento inglesas e francesas prosseguem as operações de busca.

Quatro pessoas suspeitas de tráfico e de estarem "diretamente ligadas" ao naufrágio foram hoje detidas, revelou ainda o ministro do Interior francês Gerald Darmanin.

"Os principais responsáveis por esta situação desprezível são contrabandistas", referiu o ministro do Interior francês, citado pela agência AFP.

Gerald Darmanin apelou também a uma "resposta internacional coordenada" a esta tragédia "que afeta todos".

Esta tragédia é a mais mortal desde o aumento, em 2018, das travessias migratórias do Canal da Mancha, face ao crescente bloqueio do porto de Calais e do túnel utilizado até então por migrantes que tentavam chegar a Inglaterra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+