Tempo
|
A+ / A-

Afeganistão. Governo talibã pede às televisões que não transmitam séries com mulheres

21 nov, 2021 - 21:08 • Lusa

"As televisões devem evitar exibir telenovelas e séries em que as mulheres sejam protagonistas", diz um documento do ministério enviado à comunicação social.

A+ / A-

O Ministério da Promoção da Virtude e Prevenção do Vício do Governo talibã apelou domingo às estações de televisão afegãs para que deixem de transmitir séries e novelas com a participação de mulheres.

"As televisões devem evitar exibir telenovelas e séries em que as mulheres sejam protagonistas", diz um documento do ministério enviado à comunicação social.

As novas diretrizes são também para que as televisões garantam que as jornalistas usam "o véu islâmico", sem especificar se se trata de um simples lenço na cabeça, já habitualmente usado na televisão afegã, ou um véu mais completo.

"Estas não são regras, mas orientações religiosas", disse o porta-voz do ministério, Hakif Mohajir, citado pela France-Presse.

Esta é a primeira vez que o ministério, responsável por garantir o respeito diário da população pelos "valores islâmicos", tenta regular a televisão afegã desde que os talibãs voltaram ao poder em meados de agosto.

Derrubados em 2001, os talibãs regressaram ao poder 20 anos depois, em agosto passado, depois de as forças norte-americanas e aliados se terem retirado do país.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    21 nov, 2021 aqui 21:48
    O mundo anda para frente e...o Afeganistão anda para trás.

Destaques V+