Tempo
|
A+ / A-

Ministro do Ambiente diz que expectativas foram "razoavelmente cumpridas" na COP26

13 nov, 2021 - 21:52 • João Cunha

O ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, considerou hoje que as expectativas da cimeira do clima em Glasgow (COP26) foram "razoavelmente cumpridas" e que, ainda que se pudesse ter ido mais longe, há um acordo.

A+ / A-

O ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, considerou este sábado que as expectativas da cimeira do clima em Glasgow (COP26) foram "razoavelmente cumpridas" e que, ainda que se pudesse ter ido mais longe, há um acordo.

"Foram razoavelmente cumpridas as expectativas da COP, que era anunciada como a COP mais importante depois de Paris. Estamos a falar de um exercício multilateral, e, ainda que haja algumas partes deste acordo em que manifestamente devíamos ter ido mais longe, eu começo por dizer uma coisa: há acordo, coisa que não tivemos em Madrid, não tivemos em Katovice [as duas anteriores reuniões da ONU], disse o ministro.

Em declarações à Agência Lusa, João Pedro Matos Fernandes apontou como bons resultados o facto de se ter resolvido "de uma vez por todas" o livro de regras, "com boas soluções para a transparência, claras, iguais para todos", com boas soluções também para as contribuições de cada país para reduzir os gases com efeito de estufa (as chamadas NDC), a cada cinco anos e projetadas a 10.

E depois também um artigo sobre os mecanismos de mercado, "que de alguma forma limitam aquilo que era a quantidade de créditos atribuídos em anos passados".

"Além disto há claramente a meta de 1,5ºC (graus celsius), com compromisso de reduzir até 2030 em 45% as emissões comparadas com 2010, isto fica escrito e é da maior importância", disse o governante, acrescentando: "Manifestamente trabalhou-se bem nestes 15 dias".

Sobre o fim do carvão e dos combustíveis fósseis o ministro disse que Portugal preferia, "obviamente", a primeira versão, que falava do desaparecimento do carvão, em vez da aprovada, que fala da redução. "Mas seja como for isso nunca tinha sido escrito. E há um acordo de todos os países para tal", observou.

Quanto ao financiamento, João Pedro Matos Fernandes considerou que se está no caminho dos apoios de 100 mil milhões prometidos, e disse que esse vai ser o grande tema da próxima cimeira, no Egito, porque se os países ricos não conseguirem este valor os países em vias de desenvolvimento vão ter boas razões para se queixar.

"E uma coisa que eu considero muito importante e que nos batemos desde o primeiro dia, é que o dinheiro para a adaptação duplica", já com verbas para perdas e danos do passado, disse ainda o ministro do Ambiente, concluído que "as partes estiveram à altura do compromisso".

E acrescentou: "Não saímos daqui certamente com 1,5ºC assegurados, mas com um caminho para o 1,5ºC muito bem desenhado, e a fortíssima expectativa é que cinco anos depois de Glasgow, ou 10 anos depois de Paris, o somatório das NDC então já correspondam a 1,5ºC".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+