Tempo
|
A+ / A-

COP26. Reino Unido mobiliza oito milhões de euros para proteger oceanos

05 nov, 2021 - 20:49 • Lusa

Mais de 120 líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos reúnem-se até 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia.

A+ / A-

O Reino Unido anunciou, esta sexta-feira, a mobilização de sete milhões de libras (oito milhões de euros) para proteger e "restaurar a saúde e resiliência" dos oceanos durante a 26.ª conferência do clima das Nações Unidas (COP26), em Glasgow.

A presidência britânica da Conferência marcou o “Dia da Ação dos Oceanos” com um apelo aos líderes mundiais a tomarem medidas de proteção dos oceanos que permitam alcançar a neutralidade carbónica e manter ao alcance o aquecimento global a não mais de 1,5 graus Celsius.

"O oceano desempenha um papel único na regulação do nosso clima. Não há caminho para a neutralidade carbónica - ou qualquer um dos nossos objetivos mundiais compartilhados - que não envolva a proteção e restauração da natureza, incluindo o oceano, a uma escala sem precedentes”, defendeu o secretário de Estado para o Ambiente Internacional Zac Goldsmith.

Seis milhões de libras (sete milhões de euros) do financiamento britânico vai para o fundo do Banco Mundial Problue e um milhão de libras (1,2 milhões de euros) para o Fundo Global para Recifes de Coral, para o qual já tinha doado este ano cinco milhões de libras este ano.

O Ministro do Mar português, Ricardo Serrão Santos, deslocou-se à Conferência em Glasgow para participar neste dia, onde também passou a mesma mensagem.

"Os oceanos são um elemento de esperança para a saúde e para a produtividade do planeta”, vincou.

Mais de 120 líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos reúnem-se até 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia, na 26.ª Conferência das Nações Unidas (ONU) sobre alterações climáticas (COP26) para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030.

A COP26 decorre seis anos após o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta limitar o aumento da temperatura média global do planeta entre 1,5 e 2 graus celsius acima dos valores da época pré-industrial.

Apesar dos compromissos assumidos, as concentrações de gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em 2020, mesmo com a desaceleração económica provocada pela pandemia de covid-19, segundo a ONU, que estima que ao atual ritmo de emissões, as temperaturas serão no final do século superiores em 2,7 ºC.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+