Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. EUA apoia doses de reforço de vacinas Moderna, Pfizer e Janssen

21 out, 2021 - 23:54 • Lusa

Segundo dados do CDC, mais de 11,2 milhões de pessoas nos EUA receberam uma inoculação de reforço.

A+ / A-

Veja também:


Um painel consultivo do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) norte-americano apoiou esta quinta-feira a administração de doses de reforço das vacinas da Moderna, Pfizer e Janssen contra a Covid-19.

De acordo com o CDC, as pessoas podem escolher a vacina de uma farmacêutica diferente para a próxima inoculação.

Alguns norte-americanos que receberam vacinas da Pfizer há vários meses já estavam habilitados para realizar um reforço.

Agora, os consultores do CDC dizem que as pessoas que foram inoculadas com a Moderna e a Johnson & Johnson também podem receber uma dose reforçada.

A agência norte-americana reguladora de medicamentos (FDA) já havia autorizado a campanha de reforço na quarta-feira, mas o CDC, coordenado pelo seu painel consultivo, tem a palavra final sobre o assunto.

A aprovação da FDA surgiu depois de um comité científico dos Estados Unidos (EUA) ter recomendado na semana passada doses de reforço da Moderna para certos grupos populacionais e da Johnson & Johnson para pessoas com 18 ou mais anos.

Na decisão, a FDA observa que a segunda dose da Johnson & Johnson pode ser dada dois meses após a primeira em pessoas com mais de 18 anos, recomendando o reforço da Moderna seis meses depois da vacinação completa, para determinados grupos.

No caso da Moderna, a agência autoriza a dose para todas as pessoas com mais de 65 anos, bem como para os maiores de 18 anos que corram o risco de sofrer complicações de saúde graves com Covid-19 ou com empregos em impliquem exposição à doença.

De forma paralela, a FDA permite que a vacina de reforço seja diferente da inicialmente recebida.

O diretor do centro da FDA para Avaliação e Pesquisa Biológica, Peter Marks, disse esta quinta-feira, citado em comunicado, que vão ser recolhidos dados adicionais sobre os benefícios e riscos do uso de doses de reforço em mais grupos populacionais.

Por sua vez, a comissária interina da FDA, Janet Woodcock, lembrou na mesma nota que "a ciência mostrou que a vacinação continua a ser a forma mais segura e eficaz de prevenir a Covid-19, incluindo as consequências mais sérias da doença".

Segundo dados do CDC, mais de 11,2 milhões de pessoas nos EUA receberam uma inoculação de reforço.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+