Tempo
|
A+ / A-

Brasil

Bolsonaro refere "novos estudos" para recusar a vacina

14 out, 2021 - 07:32 • Lusa

A Covid-19 já causou mais de 600.000 mortes no Brasil e foram infetadas 21,6 milhões de pessoas.

A+ / A-

O Presidente do Brasil disse estar a usar “novos estudos” para não se vacinar contra a Covid-19, garantindo ter uma proteção contra a doença porque já foi infetado e a sua imunidade "está no topo".

Em relação à vacina, decidi não tomar. Estou vendo novos estudos”, afirmou Jair Bolsonaro, em declarações à emissora de rádio Jovem Pan na noite de terça-feira e reproduzidas pelos media’locais.

“Por que vou tomar vacina? Seria o mesmo que jogar 10 reais na lotaria para ganhar 2”, insistiu.

As declarações do Presidente brasileiro seguem a linha negacionista que mantém desde o início da pandemia do novo coronavírus num país que tem o segundo maior número de mortes, depois dos Estados Unidos da América.

A Covid-19 já causou mais de 600.000 mortes no Brasil e foram infetadas 21,6 milhões de pessoas.

Ao contrário de seu Presidente, 70% dos brasileiros já receberam a primeira dose da vacina e 47% têm o esquema vacinal completo.

Bolsonaro não especificou quais os "novos estudos" para descartar tomar a vacina contra o novo coronavírus, mas reiterou que o facto de ter sido infetado garante que tenha anticorpos suficientes, ao contrário da opinião dos especialistas.

Em declarações anteriores, Bolsonaro, de 66 anos, disse que seria o último brasileiro a ser vacinado contra a doença, opinião que parece ter mudado agora ao afirmar que não se vacinará.

No entanto, a sua mulher, Michelle Bolsonaro, recebeu recentemente a vacina contra a Covid-19 nos Estados Unidos, o que gerou críticas no Brasil por recorrer ao sistema de saúde de outro país.

“Para mim, a liberdade vem em primeiro lugar. Se um cidadão não quer ser vacinado, é seu direito e não existe mais”, insistiu Bolsonaro.

A Covid-19 provocou pelo menos 4.861.478 mortes em todo o mundo, entre mais de 238,59 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+