Tempo
|
A+ / A-

Sebastian Kurz

Chanceler austríaco renuncia ao cargo após suspeitas de corrupção

10 out, 2021 - 12:13 • Sofia Freitas Moreira com agências

Apesar da demissão, o conservador mantém a liderança do seu partido. Sebastian Kurz é acusado de abuso de confiança, corrupção e suborno com vários níveis de envolvimento.

A+ / A-

O chanceler conservador da Áustria, Sebastian Kurz, apresentou a demissão do cargo, no sábado, devido às suspeitas de corrupção que enfrenta.

O líder do Partido Popular Austríaco (Österreichische Volkspartei – ÖVP) é acusado de ter utilizado fundos públicos para influenciar a cobertura dos tablóides austríacos entre 2016 e 2018. Kurz nega todas as acusações.

De acordo com a agência Reuters, Kurz, que é chanceler desde 2017, planeia continuar como líder do seu partido e tornar-se o seu principal legislador no parlamento, e é provável que continue a dar os primeiros passos na atual coligação com os Verdes.

"Gostaria, portanto, de abrir caminho para pôr fim ao impasse, evitar o caos e assegurar a estabilidade", disse, numa declaração aos meios de comunicação social.

O atual ministro dos Negócios Estrangeiros, Alexander Schallenberg, um diplomata de carreira apoiado pelo partido de Kurz, irá assumir o cargo de chanceler.

Os Verdes já tinham deixado claro que concordavam com a decisão. "Creio que este é o passo certo para o futuro do governo", disse o líder dos Verdes e Vice-Chanceler Werner Kogler numa declaração, acrescentando que tinha tido uma relação de trabalho "muito construtiva" com Schallenberg e que se encontraria com ele este domingo.

Uma estrela entre os conservadores europeus, conhecido pela sua linha dura sobre imigração, Kurz, 35 anos, tornou-se um dos líderes mais jovens do continente em 2017, quando formou uma coligação com o Partido da Liberdade de extrema-direita, que entrou em colapso em 2019. O Parlamento despediu-o, mas acabaria por ganhar as eleições imediatas que se seguiram.

Até agora, não foi contestado como líder do Partido Popular, tendo sido reeleito em agosto deste ano com 99,4% de apoio.

"Esta demissão não é uma verdadeira demissão", disse o analista político Thomas Hofer à Reuters. "É (formalmente) um passo atrás na segunda fila, mas o poder no OVP e, portanto, no seio da equipa governamental do OVP ainda está com Sebastian Kurz".

Os procuradores colocaram Kurz e mais nove pessoas sob investigação por suspeita de abuso de confiança, corrupção e suborno com vários níveis de envolvimento.

Com início em 2016, quando Kurz procurava assumir a liderança do partido, os procuradores suspeitam que o Ministério das Finanças, liderado pelos conservadores, pagou por sondagens manipuladas e cobertura favorável a Kurz para ser publicada num jornal.

Os documentos divulgados como parte da sua investigação e publicados nos meios de comunicação austríacos também incluíam mensagens de texto, segundo as quais os opositores de Kurz o acusam de falta de escrúpulos e táticas desleais.

As consequências políticas, tanto em termos da popularidade do seu partido como da sua relação com os Verdes, não são claras.

"Será suficiente", disse a líder do partido liberal Neos, Beate Meinl-Reisinger, numa conferência de imprensa em reação ao anúncio de Kurz.

"Sabemos pelos documentos (de investigação) que ele próprio comprou um partido, que ele próprio comprou uma eleição, que manipulou e mentiu às pessoas, e que fez tudo isso com o dinheiro dos impostos", finalizou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+