Tempo
|
A+ / A-

Centenas de migrantes haitianos deportados de Cuba

10 out, 2021 - 17:19 • Lusa

80% das crianças deportadas têm menos de cinco anos e várias delas estão desnutridas ou têm doenças cutâneas.

A+ / A-

Várias centenas de migrantes haitianos foram deportados no sábado por Cuba, em seis voos e num barco, sendo que metade são mulheres e crianças, segundo a Unicef esta domingo, avança a agência Efe.

Numa mensagem na rede social Twitter, o representante da Unicef no Haiti, Bruno Maes, indicou que 80% das crianças deportadas têm menos de cinco anos e várias delas estão desnutridas ou têm doenças cutâneas.

A publicação de Bruno Maes alerta ainda para o facto de os menores que costumam viajar sem documentos estarem "mais expostos ao risco de serem vítimas de tráfico e exploração sexual ou abuso infantil.

A maioria dos migrantes deportados são originários do sudoeste do Haiti, zona especialmente afetada pelo terramoto ocorrido em 14 de agosto.

Estes migrantes tinham saído do seu país, no início de setembro, em embarcações e pretendiam viajar até à cidade norte-americana de Miami, no Estado da Florida.

Segundo explicou a Unicef, a Organização das Nações Unidas (ONU) está a proceder à contagem dos migrantes que foram deportados, não tendo por isso ainda um número exato.

Desde o dia 15 de setembro, pelo menos 8.200 haitianos foram repatriados dos Estados Unidos e de vários países da região do Caribe, de acordo com estimativas da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

A maioria deles, cerca de 7.500, foram deportados dos Estados Unidos, depois de terem viajado a pé desde o Chile e do Brasil e terem chegado, nas últimas semanas, à fronteira sul do país.

Os números da OIM não incluem as deportações que ocorrem diariamente na vizinha República Dominicana.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+