Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Variante Delta quase substituiu outras três variantes preocupantes em todo o mundo

21 set, 2021 - 23:27 • Lusa

"Este vírus tornou-se mais forte, é mais transmissível e está a competir, substituindo os outros vírus que circulam", acrescentou a líder da equipa técnica da Organização Mundial de Saúde.

A+ / A-

Veja também:


A variante Delta da Covid-19, presente em 185 países, tomou em grande parte o lugar de outras três variantes também "preocupantes", Alfa, Beta e Gama, que representam cada uma menos de 1% dos casos sequenciados.

O balanço foi feito esta terça-feira pela líder da equipa técnica da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a Covid-19, Maria Van Kerkhove, numa sessão de perguntas e respostas nas redes sociais.

Os vírus sofrem mutações e o aparecimento no final do ano passado de variantes que representavam um risco acrescido para a saúde pública mundial levou a OMS a caracterizar as variantes como "a seguir" ou como "preocupantes", para hierarquizar as atividades de vigilância e de investigação a nível global.

"O vírus predominante que circula atualmente é a variante Delta", disse a responsável ao explicar a hierarquização.

"Este vírus tornou-se mais forte, é mais transmissível e está a competir, substituindo os outros vírus que circulam", acrescentou.

A OMS decidiu nomear as variantes "a seguir" e "preocupantes" utilizando as letras do alfabeto grego, para evitar estigmatizar qualquer país e para facilitar a pronúncia dos nomes. Atualmente a organização considera as quatro variantes "preocupantes", a Delta mas também a Alfa, a Beta e a Gama.

A OMS considerou também cinco outras variantes (Eta, Iota, Kappa, Lambda e Um) como a serem monitorizadas mas "despromoveu" três delas (Eta, Iota e Kappa), disse Maria Van Kerkhove.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+