Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Afeganistão

Talibãs trocam Ministério dos Assuntos Femininos pelo da Prevenção do Vício

18 set, 2021 - 00:23 • Lusa

Desde o regresso ao poder, a 15 de agosto, os talibãs não demonstraram disposição em garantir os direitos das mulheres.

A+ / A-

O Governo dos talibãs no Afeganistão substituiu, esta sexta-feira, o Ministério dos Assuntos Femininos pelo de Promoção da Virtude e Prevenção do Vício, que já havia existido durante a primeira governação do grupo extremista, de 1996 a 2001.

Uma placa do novo ministério foi colocada, esta sexta-feira, em Cabul e várias mensagens surgiram nas redes sociais mostrando funcionários do Ministério dos Assuntos das Mulheres, alegando terem sido despedidos, de acordo com a agência AFP.

Nenhum funcionário dos talibãs respondeu às solicitações da AFP para comentar o assunto.

Embora tenham garantido que iriam governar com mais moderação do que entre 1996 e 2001, os talibãs não permitiram que a maioria das mulheres voltassem ao trabalho. Também nenhuma mulher faz parte do novo governo afegão anunciado há duas semanas.

Esta sexta-feira, o Ministério da Educação transmitiu em comunicado a reabertura das escolas de ensino básico e secundário para rapazes e consequente regresso ao trabalho dos professores do sexo masculino.

No antigo regime, rapazes e raparigas dividiam as mesmas secretárias em algumas escolas primárias e universidades.

No ensino superior, a segregação de género será a regra, já salientaram os talibãs, que introduziram regulamentos sobre as roupas das mulheres.

Ainda que marginalizadas, as mulheres afegãs adquiriram direitos fundamentais nos últimos 20 anos, especialmente nas cidades, onde se tornaram deputadas, juízas, pilotos e polícias.

Centenas de milhares de mulheres entraram no mercado de trabalho por necessidade, uma vez que muitas são viúvas ou apoiam os maridos incapacitados, devido a várias décadas de conflitos.

Desde o regresso ao poder, a 15 de agosto, os talibãs não demonstraram disposição em garantir os direitos das mulheres.

Os islâmicos dizem que as mulheres receberam ordens para ficar em casa por segurança, mas que poderão trabalhar assim que for feita a segregação.

Durante o primeiro governo dos talibãs, as mulheres foram, na sua maioria, excluídas da vida pública e só podiam sair de casa acompanhadas por um homem.

Os responsáveis pelo Ministério para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício eram conhecidos por chicotear mulheres que andavam sozinhas e impunham várias outras interpretações rigorosas do Islão, como a obrigação de participar nas orações e a proibição aos homens de se barbearem.

Protesto no Afeganistão. Grupo de mulheres exige direitos e respeito nas ruas de Cabul
Protesto no Afeganistão. Grupo de mulheres exige direitos e respeito nas ruas de Cabul
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+