Tempo
|
A+ / A-

Paquistão diz não ter capacidade para receber mais refugiados do Afeganistão

15 set, 2021 - 22:15 • Lusa

Conselheiro de segurança paquistanês lembra que o país está a tentar fazer o possível para ajudar os afegãos, defendendo um aumento dos esforços internacionais para evitar uma crise humanitária.

A+ / A-

O conselheiro de segurança nacional do Paquistão afirmou esta quarta-feira que o país está incapacitado, por várias razões, incluindo por restrições financeiras, para receber mais refugiados afegãos.

"O Paquistão não está agora em condições de aceitar mais refugiados", disse Moeed Yusuf, numa conferência de imprensa realizada na capital paquistanesa.

Yusuf salientou que o Paquistão já alberga mais de três milhões de refugiados afegãos, que fugiram da guerra e da violência no Afeganistão nas últimas décadas.

O conselheiro realçou que o Paquistão está a tentar fazer o possível para ajudar os afegãos, defendendo, nesse sentido, que devem aumentar os esforços internacionais para que se evite uma crise humanitária.

Para tal, pediu à comunidade internacional que não repita o erro de abandonar o Afeganistão e alertou que o grupo 'jihadista' autoproclamado Estado Islâmico (EI) e outras organizações, incluindo os talibãs paquistaneses, que procuraram refúgio junto à fronteira, podem explorar a situação.

"Não é preciso pensar muito para saber o que vai acontecer. Haverá um vazio de segurança. Já se sabe que o [grupo] EI está lá presente, os talibãs paquistaneses estão lá, a Al-Qaeda está lá", frisou Yusuf, lembrando que todas essas organizações são "inimigas juradas" do Paquistão.

"Se o Afeganistão se desestabilizar, o efeito de contágio chega ao Paquistão", avisou Yusuf, que pediu também à comunidade internacional que se envolva "de forma construtiva" com os talibãs em prol da paz e da estabilidade na região.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+