Tempo
|
A+ / A-

França vai dar a terceira dose da vacina aos maiores de 65 anos

24 ago, 2021 - 16:41 • Lusa

Dose de reforço pode ser administrada "após, pelo menos, seis meses da vacinação completa.

A+ / A-

Veja também:


A Alta Autoridade da Saúde francesa deu "luz verde" para a administração da terceira dose da vacina contra a covid-19 a quem tem mais de 65 anos e para as pessoas consideradas frágeis.

"Esta dose deve ser administrada após, pelo menos, seis meses da toma completa da primeira vacina [com uma ou duas doses, dependendo do laboratório", segundo o comunicado divulgado hoje.

Por enquanto, segundo esta agência pública, não há necessidade de uma terceira dose da vacina para toda a população.

"A administração de mais uma dose será provavelmente necessária nos próximos meses, sem que seja ainda possível pronunciarmo-nos de forma precisa, nem sobre a população alvo, nem sobre o calendário", esclareceu a Alta Autoridade da Saúde.

O ministro da Saúde, Olivier Véran, tinha indicado na segunda-feira que após a aprovação por esta entidade pública, a terceira dose da vacina contra a covid-19 estaria disponível a partir dos maiores de 65 anos.

Para as pessoas vacinadas com a vacina Janssen, que receberam apenas uma dose, a Alta Autoridade da Saúde estipulou que o reforço pode ser feito através de uma dose da vacina que recorre à tecnologia do ARN mensageiro, ou seja, da Pfizer ou da Moderna.

Desde o início da pandemia morreram em França 11.585 pessoas e foram confirmados 6.624.777 casos.


Em Portugal, a administração da terceira dose da vacina para a Covid-19 ainda está a ser analisada pelas autoridades de saúde.

O responsável pela “task force” da vacinação contra a Covid-19, Gouveia e Melo, disse esta terça-feira que “o que se está a discutir neste momento não é um reforço generalizado da vacinação" contra a Covid-19 em Portugal, mas sim a administração da terceira dose a cerca de 100 mil pessoas com as defesas reduzidas.

"Não há nenhuma decisão sobre a terceira dose da vacina. É um assunto que a DGS está a tratar. Não há sequer a certeza científica da sua necessidade", disse o vice-almirante aos jornalistas, durante uma visita a um centro de vacinação em São João da Madeira.

Gouveia e Melo admitiu que Portugal pode avançar com a terceira dose para cerca de 100 mil pessoas imunodeprimidas e com as defesas em baixo.

"Uma coisa é dar mais uma dose a quem é, por exemplo, imunodeprimido ou que está a fazer um tratamento específico e tem as suas defesas mais baixas, mas são casos muito pontuais. Não é uma terceira dose generalizada. Ninguém está a falar de uma terceira dose generalizada", sublinha o coordenador da "task force".

Questionado sobre notícias de que algumas autarquias estarão já a preparar o encerramento de centros de vacinação, Gouveia e Melo considera que essa possibilidade só deverá acontecer quando 85% da população tiver completado a vacinação contra a Covid-19.

Por seu lado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) condenou que os países mais ricos avancem com o reforço da vacinação contra a Covid-19 quando os países mais pobres ainda nem sequer imunizaram a sua população.
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+