Tempo
|
A+ / A-

Amnistia acusa talibãs de massacre e tortura no Afeganistão

20 ago, 2021 - 12:44 • Ricardo Vieira

“Provavelmente, estas mortes brutais representam uma pequena fração do total de mortes infligidas pelos talibãs até agora", alerta a organização de defesa dos direitos humanos.

A+ / A-

Os talibãs torturaram e assassinaram nove homens da etnia hazara no Afeganistão quando assumiram o controlo da província de Ghazni, no mês passado, revela uma investigação da Amnistia Internacional (AI).

O massacre terá tido lugar entre os dias 4 e 6 de julho na aldeia de Mundarakht, de acordo com o relato de testemunhas ouvidas por investigadores no terreno, que também analisaram provas fotográficas do massacre.

Seis homens da etnia hazara foram mortos a tiro pelos talibãs e três torturados até à morte. Uma das vítimas foi estrangulada com o próprio lenço e os músculos dos braços foram cortados, de acordo com a Amnistia Internacional.

Os confrontos entre forças governamentais e talibãs na província de Ghazni intensificaram-se no dia 3 de julho e os habitantes de Mundarakht contaram aos investigadores da AI que fugiram para as montanhas para escapar aos combates.


No dia seguinte, cinco homens e quatro mulheres voltaram à aldeia para buscar alimentos para as 30 famílias escondidas na montanha. Os talibãs estavam à espera e começaram os atos de tortura e os assassinatos.

“Provavelmente, estas mortes brutais representam uma pequena fração do total de mortes infligidas pelos talibãs até agora, já que o grupo cortou as telecomunicações móveis em muitas das áreas que recentemente capturaram, controlando as fotos e vídeos que são partilhados a partir”, alerta a organização não-governamental de defesa dos direitos humanos.

Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional, diz que a brutalidade destes assassinatos serve para recordar o registo histórico da brutalidade dos talibãs e é um “indicador horrível” para o que poderá ser a nova liderança do Afeganistão.

“Estes assassinatos seletivos são a prova de que as minorias étnicas e religiosas continuam a correr um risco especial sob o domínio dos talibãs no Afeganistão”, afirma Agnès Callamard.

A Amnistia Internacional apela às Nações Unidas a adoção de uma resolução de emergência a exigir que os talibãs respeitem a legislação internacional sobre direitos humanos e garantam a segurança de todos os afegãos, “independentemente da sua etnia ou religião”.

“O Conselho de Direitos Humanos da ONU deve lançar um mecanismo de investigação robusto para documentar, recolher e preservar provas de crimes em curso e abusos dos direitos humanos em todo o Afeganistão. Isso será fundamental para garantir uma tomada de decisão informada pela comunidade internacional, e combater a impunidade que continua a alimentar crimes graves no país”, defende Agnès Callamard.

Num documento confidencial agora divulgado, as Nações Unidas alertam que os talibãs estão a ir porta-a-porta para encontrar quem colaborou com a NATO ou com o anterior governo afegão.

De acordo com o documento revelado pela BBC, os afegãos contactados têm sofrido ameaças pessoais e também aos seus familiares.

O aviso consta de um documento confidencial do Centro Norueguês de Análises Globais RHIPTO, que fornece informações à ONU

Com talibãs no Palácio Presidencial, centenas invadem o aeroporto de Cabul para fugir do país
Com talibãs no Palácio Presidencial, centenas invadem o aeroporto de Cabul para fugir do país
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+