Tempo
|
A+ / A-

Tiros e gás lacrimogéneo em protestos durante funeral de Presidente haitiano assassinado

23 jul, 2021 - 21:45 • Lusa

Durante a homilia por Moïse, sentiram-se os efeitos do gás lacrimogéneo no local das exéquias, situado a cerca de 500 metros da entrada da residência familiar que acolheu o funeral.

A+ / A-

Manifestantes incendiaram esta sexta-feira barricadas no local onde decorria o funeral do Presidente do Haiti assassinado, Jovenel Moïse, perto da cidade nortenha de Cap-Haïtien, levando a Polícia Nacional a disparar tiros e granadas de gás lacrimogéneo.

Durante a homilia por Moïse, sentiram-se os efeitos do gás lacrimogéneo no local das exéquias, situado a cerca de 500 metros da entrada da residência familiar que acolheu o funeral.

Também se ouviram tiros, muito mais evidentes no final da cerimónia, em rajadas de seis de cada vez, disparados pela polícia para abrir passagem às numerosas comitivas que saíam da propriedade.

A estrada para Cap-Haïtien estava bloqueada, pelo que era necessário tomar o caminho para a capital, Port-au-Prince, para conseguir chegar à cidade, num trajeto em que os disparos não paravam de soar à passagem dos veículos, tornando-se muito evidente o cheiro a pólvora.

O foco de tensão da jornada concentrou-se nas imediações do local onde se realizava a cerimónia, enquanto Cap-Haïtien permaneceu calma, depois de na quinta-feira as ruas terem sido barradas por barricadas em chamas ardendo por toda a cidade.

Na quinta-feira, foi celebrada uma missa na catedral de Cap-Haïtien que foi interrompida diversas vezes por apoiantes do Presidente assassinado exigindo justiça.

O chefe de Estado haitiano foi assassinado a tiro na sua residência, em Port-au-Prince, na madrugada de 07 de julho, num ataque perpetrado por um comando armado composto por ex-militares colombianos, que entrou na moradia presidencial sem encontrar resistência por parte dos seguranças que deveriam proteger a vida de Jovenel Moïse.

No discurso proferido esta sexta-feira na cerimónia civil, a primeira-dama, Martine Moïse, que foi ferida a tiro no ataque, pediu justiça para o marido que, assegurou, foi "abandonado e atraiçoado".

"Foste abandonado e atraiçoado. O teu assassínio expôs fealdade e cobardia", disse Martine Moïse na cerimónia em honra do marido realizada em Cap-Haïtien, no norte do mais pobre dos países do continente americano, onde o Presidente assassinado será sepultado ainda esta sexta-feira.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+