Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Mucormicose. O fungo que alastra entre doentes Covid já matou mais de 4.200 na Índia

21 jul, 2021 - 22:56 • Lusa

Antes da pandemia de Covid-19, a Índia registava apenas 20 casos de mucormicose por ano, tratando-se de uma doença que afetava sobretudo as pessoas imunodeprimidas.

A+ / A-

Veja também:


A Índia registou mais de 45.000 casos de mucormicose, ou "fungo negro", nos últimos dois meses, e 4.200 já morreram desta doença.

Trata-se de uma infeção fúngica mortal para metade dos que a contraem e que está a alastrar entre os doentes recuperados da Covid-19, indicou esta quarta-feira o ministro-adjunto da Saúde, Bharati Pravin Pawar.

Esta doença fúngica muito agressiva, cuja taxa de mortalidade ultrapassa os 50%, obrigou os cirurgiões a removerem olhos, narizes e maxilares de alguns doentes para impedirem que a infeção chegasse ao cérebro.

Segundo o Governo, o Estado de Maharashtra, no oeste do país, é o mais atingido, com 9.348 casos.

Antes da pandemia de Covid-19, a Índia registava apenas 20 casos de mucormicose por ano, tratando-se de uma doença que afetava sobretudo as pessoas imunodeprimidas, com níveis demasiado elevados de glicemia no sangue, infetadas com sida ou que tivessem sido submetidas a transplante de órgãos.

Os especialistas atribuíram este enorme aumento dos casos de mucormicose ao uso excessivo de esteroides para tratar os doentes de Covid-19.

O Governo indiano declarou a mucormicose uma epidemia em maio, altura em que o número de casos começou a subir em flecha.

Os números das autoridades mostram que as infeções conheceram um pico em maio e junho, antes de decrescerem de forma significativa. As redes sociais foram então inundadas com apelos desesperados em busca de tratamento para curar a doença.

O jornal Hindustan Times noticiou na segunda-feira um aumento dos casos entre as crianças do Estado do Rajastão, no norte da Índia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+