Tempo
|
A+ / A-

Estado Islâmico

Bélgica repatria 10 crianças e seis mulheres de campo de refugiados na Síria

16 jul, 2021 - 23:34 • Lusa

Centenas de filhos e mulheres de combatentes do Estado Islâmico continuam à espera de saber o que lhes vai acontecer na Síria.

A+ / A-

Dez crianças belgas, filhos de combatentes jihadistas, e seis mulheres regressaram esta sexta-feira à Bélgica, numa operação de repatriamento, depois de terem deixado o campo de refugiados de Roj, na Síria, informou a agência noticiosa AFP.

De acordo com a AFP, esta operação de repatriamento é a mais importante organizada pelas autoridades belgas desde a queda do grupo terrorista Estado Islâmico, em 2019.

Em 4 de março, um dia depois da aprovação dos serviços antiterrorismo, o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo prometeu "fazer de tudo" para repatriar os menores de 12 anos.

Na altura, Alexander De Croo havia dito que era uma questão de "segurança" para o país.

A Organização de Coordenação para a Análise da Ameaça (OCAM) belga manifestou preocupação pelas crianças e pelas mulheres, dizendo que precisam de "monitorização permanente" e que é "muito mais fácil" de garantir na Bélgica.

No regresso à Bélgica, as seis mães foram detidas e presentes a tribunal, enquanto as crianças foram entregues à comissão de proteção de crianças e jovens belga, após exames médicos, adiantou o jornal de referência Le Soir.

Contactados pela AFP, nem o gabinete do primeiro-ministro, nem o Ministério Público belga quiseram comentar a operação de repatriamento.

Por seu lado, Heidi De Pauw, da associação Child Focus, elogiou a "coragem" do governo e disse estar "feliz" por as crianças terem conseguido "fugir aos perigos de territórios em guerra".

"Esperemos que possam viver a sua infância em completo anonimato e que os seus direitos como crianças, como o acesso à educação e à saúde, sejam respeitados", acrescentou a dirigente numa mensagem enviada à AFP.

Heidi De Pauw acompanhou uma missão belga, em 2019, que permitiu repatriar seis crianças e adolescentes, órfãos ou vítimas de rapto parental.

Desta vez, a operação de repatriamento do governo belga foi organizada em várias fases.

Em conjunto com a França, a Bélgica é um dos países europeus que viu sair mais combatentes jihadistas, após a guerra na Síria em 2011. Desde 2012, mais de 400 belgas partiram para o Médio Oriente.

No início do ano, investigadores estimaram que cerca de 40 menores belgas ainda se encontravam na Síria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+