Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Merkel leva a Bruxelas falta de regras para entrada de passageiros de zonas de risco

24 jun, 2021 - 11:54 • Lusa

Chanceler alemã vai tomar a palavra na cimeira europeia desta quinta-feira à tarde. Merkel já tinha dado como mau exemplo a deslocação de britânicos a Portugal para a final da Liga dos Campeões.

A+ / A-

Veja também:


A chanceler alemã demonstrou um "cauteloso otimismo" perante a evolução da pandemia na União Europeia, adiantando que vai criticar esta quinta-feira, em Bruxelas, os países que não restringem a chegada de passageiros de zonas de risco.

Na terça-feira, Angela Merkel criticou a falta de regras comuns na União Europeia relativamente às viagens, dando como exemplo a situação de aumento dos contágios em Portugal, que "poderia ter sido evitada".

"O que lamento é que ainda não tenhamos sido capazes de alcançar um comportamento uniforme entre os Estados-membros em termos de restrições de viagem, isto é um retrocesso", declarou a responsável, em conferência de imprensa na terça-feira.

Esta quinta-feira, no Bundestag, Merkel afirmou que na cimeira europeia que começa à tarde em Bruxelas vai reiterar as crítica sobre a decisão de alguns parceiros europeus de não restringirem a entrada de pessoas procedentes de países considerados de risco devido à propagação de variantes.

Sobre a crise sanitária, disse ainda que a "incidência está claramente a baixar" em toda a União Europeia enquanto aumenta o número de pessoas imunizadas, o que confere "razões de confiança".

Mesmo assim, face à aparição de novas variantes, especialmente a mutação Delta detetada inicialmente na Índia, recordou que é o preciso que os países se mantenham em alerta.

A pandemia provocou, pelo menos, 3.884.538 vítimas mortais em todo o mundo, resultantes de mais de 179 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+