Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

EUA

E-mails mostram que Trump pressionou Justiça sobre eleições de 2020

15 jun, 2021 - 19:48 • Lusa

A correspondência foi revelada pela Comissão de Supervisão da Câmara dos Representantes e mostram também como o então Presidente tentou recrutar o procurador-geral para a sua causa.

A+ / A-

Mensagens de correio eletrónico divulgadas esta terça-feira mostram que, nas últimas semanas da sua presidência, Donald Trump e os seus aliados pressionaram o Departamento de Justiça a investigar alegações infundadas de fraude eleitoral generalizada em 2020.

Essas pressões ocorreram apesar de o ex-procurador-geral, William Barr, ter assegurado não existirem provas de qualquer fraude nas eleições presidenciais de novembro de 2020 que obrigaram o republicano Trump a abandonar a Casa Branca em favor do democrata Joe Biden.

Os e-mails, divulgados pela Comissão de Supervisão da Câmara dos Representantes, revelam em pormenor como Trump, o seu chefe de gabinete na Casa Branca e outros aliados pressionaram membros do Governo norte-americano para contestarem as eleições presidenciais de 2020 com base em acusações falsas, embora responsáveis da Segurança Nacional e da Justiça, bem como dirigentes eleitorais republicanos de todo o país lhe tenham repetidamente dito que não tinha havido fraude.

As mensagens divulgadas esta terça-feira mostram também como Trump se esforçou para recrutar o então procurador-geral em exercício, Jeffrey Rosen, para as fracassadas iniciativas legais da sua campanha para contestar os resultados eleitorais, entre as quais a sugestão de apresentar queixa ao Supremo Tribunal dos Estados Unidos.

Os e-mails enviados a Rosen incluem teorias da conspiração desmanteladas e informações falsas sobre fraude eleitoral.

As mentiras de Trump sobre as eleições alimentaram a revolta da multidão que atacou o Capitólio, a 06 de janeiro, numa tentativa falhada de impedir a confirmação da vitória de Biden.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+