Tempo
|
A+ / A-

Espanha

"Só lhe dei um abraço". #GraciasLuna, o apoio à voluntária que consolou migrante em Ceuta

21 mai, 2021 - 07:44 • Sofia Freitas Moreira com agências

Entre segunda e terça-feira, mais de oito mil migrantes entraram em Ceuta, perante a passividade das autoridades marroquinas. Entre eles, 1.500 menores.

A+ / A-

A chegada maciça de mais de oito mil migrantes a Ceuta, esta semana, deixou imagens do drama humano que dificilmente serão esquecidas.

Entre elas, o momento em que um membro da Guarda Civil salvou um bebé de se afogar no mar e o de uma voluntária da Cruz Vermelha que abraçou um jovem desconsolado após ter atravessado a fronteira.

Se a primeira foi amplamente aplaudida, a segunda provocou ameaças e insultos racistas e xenófobos, o que levou a jovem mulher a restringir o acesso às suas redes sociais. Paralelamente, contra este ódio, chegou uma avalanche de apoio liderada pela própria organização humanitária.

Luna, uma jovem de 20 anos de Mostoleña, que está a tirar uma licenciatura em Integração Social e a estagiar em Ceuta, reconheceu na estação espanhola de rádio SER que se sente muito sobrecarregada. "Tem sido uma experiência muito difícil", explicou sobre a situação migratória.

Também, através de um vídeo postado na sua conta do Twitter, Luna admitiu que não acredita em Deus, mas que tem a certeza que se vivesse as situações por que estas pessoas passaram, acreditaria.

Na TVE, televisão pública espanhola, Luna minimizou a importância do seu gesto: "Só lhe dei um abraço. Dar um abraço a alguém que pede ajuda é a coisa mais normal do mundo".

Entre segunda e terça-feira, mais de oito mil migrantes entraram em Ceuta, perante a passividade das autoridades marroquinas. Entre eles, 1.500 menores, 800 dos quais não acompanhados.

Por lei, a Espanha não pode devolver menores não acompanhados, a menos que os seus pais o solicitem.

Cerca de 5.600 adultos dos oito mil marroquinos que conseguiram chegar ao enclave de Ceuta foram expulsos do país.

Enquanto os migrantes eram submetidos a testes Covid-19 fora do armazém onde foram colocados, a Cruz Vermelha entregava comida e água aos menores. As autoridades retiraram os menores do armazém e não disseram para onde os iriam levar.

Antes do afluxo maciço em Ceuta esta semana, a Espanha já tinha oito mil migrantes menores registados no território.

Confrontos entre migrantes e polícia perto de Ceuta. Há 1.500 menores que não podem ser deportados
Confrontos entre migrantes e polícia perto de Ceuta. Há 1.500 menores que não podem ser deportados
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+