Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Médio Oriente

Pelo menos três rockets lançados a partir do Líbano contra Israel

13 mai, 2021 - 22:03 • Lusa

O conflito entre o Hamas e Israel pode vir a assumir novamente contornos de guerra internacional, podendo envolver o Líbano.

A+ / A-

Pelo menos três rockets foram lançados desde o Líbano contra Israel, enquanto as forças israelitas começaram a disparar artilharia contra a Faixa de Gaza, onde dezenas de famílias fogem das suas casas.

Uma fonte militar libanesa informou que pelo menos três rockets foram lançados desde o sul do Líbano nas últimas horas, embora não tenha referido a autoria deste ataque.

O exército israelita já confirmou esta informação e a fonte militar libanesa disse que unidades das forças armadas do Líbano foram deslocadas para a zona desde onde foram lançados os projéteis, tendo detido os seus responsáveis na cidade de Tiro, no sul do Líbano.

Ao mesmo tempo, e ao fim de quatro dias de conflito, Israel iniciou ataques com artilharia e carros blindados, contra comunidades do norte perto da fronteira israelita e no leste da Cidade de Gaza, com testemunhas a relatar que várias dezenas de pessoas saíram das suas casas.

Ibrahim Jamal, um habitante local, disse que cerca de 200 pessoas procuraram abrigo numa escola das Nações Unidas.

O ataque israelita responde a um lançamento de uma pesada barragem de rockets por parte do movimento islâmico xiita Hamas, esta quinta-feira, após várias regiões de Gaza terem sido atingidas com diversos ataques aéreos israelitas, que já deslocaram tropas para a zona de fronteira e convocaram mais de 9.000 reservistas.

A escalada das hostilidades ocorre enquanto os negociadores egípcios tentam manter conversações com as duas partes, intensificando os esforços de mediação.

Naquela que é a pior escalada de violência entre palestinianos e israelitas nos últimos sete anos, o conflito espalhou-se por várias cidades e o exército de Israel moveu tropas para a fronteira de Gaza – para a eventualidade de ser necessária uma operação terrestre na Faixa –

enquanto continua o lançamento maciço de foguetes por milícias do Hamas e continua o bombardeamento sistemático por parte das forças israelitas.

Alguns dos rockets lançados desde Gaza atingiram o centro de Tel Aviv, onde uma multidão de árabes e judeus invadiram as ruas, espancando pessoas e incendiando automóveis.

Os voos do principal aeroporto de Israel foram cancelados ou desviados para outras rotas, enquanto as milícias do Hamas intensificam o lançamento de rockets em resposta a bombardeamentos aéreos de Israel, no dia em que se celebra o fim do mês sagrado do Ramadão.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que o número de mortos subiu para 87 na Faixa, incluindo 18 crianças e oito mulheres, com 530 feridos registados.

O Hamas confirmou a morte de 13 dos seus combatentes, incluindo um comandante sénior, enquanto Israel afirma que o número de vítimas mortais é muito superior ao admitido pelas autoridades palestinianas.

Israel anunciou a morte de sete pessoas no seu território, incluindo um soldado morto por um míssil antitanque e uma criança de seis anos atingida por um rocket.

Vários líderes mundiais têm pedido contenção no conflito e o Egito tem procurado mediar conversações com as duas partes.

Ainda assim, o número de rockets e de bombardeamentos não abrandou nas últimas horas.

Num evidente sinal de que o conflito pode escalar nas próximas horas e dias, o ministro da Defesa de Israel aprovou a mobilização de mais 9.000 soldados reservistas e o porta-voz militar de Israel, Hidai Zilberman, disse que um reforço de efetivos está já a concentrar-se na fronteira com a Faixa de Gaza.

Em declarações à estação de televisão pública israelita, Zilberman disse que as forças estão a preparar "a opção de uma manobra terrestre", com veículos blindados e artilharia a ser colocados em alerta para poderem ser "mobilizados a qualquer momento".

Contudo, o mesmo porta-voz militar disse que o contingente de forças ainda não é suficiente para permitir uma imediata invasão terrestre.

Ao longo do dia, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, visitou o sistema de defesa antimísseis Iron Dome, que, segundo os militares, intercetou 90% dos 1.200 foguetes que foram lançados contra Israel desde Gaza.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+