Tempo
|
A+ / A-

OMS. Variante indiana da Covid-19 detetada em 44 países

12 mai, 2021 - 08:47 • Lusa

Além da Índia, o maior número de casos de infeção com a esta variante foi detetado no Reino Unido.

A+ / A-

Veja também:


A Organização Mundial de Saúde (OMS) detetou a variante responsável pelo surto de casos da Covid-19 na Índia em dezenas de países.

A variante B.1.617, que apareceu pela primeira vez em outubro, foi detetada em "44 países nas seis regiões", disse a OMS, acrescentando ter recebido "notificações de deteção em cinco outros países".

Além da Índia, o maior número de casos de infeção com a esta variante foi detetado no Reino Unido.

Esta semana, a OMS classificou esta variante do novo coronavírus como "de preocupação ou de interesse global" por estudos indicarem ser mais contagiosa do que o vírus original.

Apontada como uma das razões para o surto na Índia, o pior no mundo neste momento, a variante B.1.617 juntou-se à lista de três outras, que apareceram pela primeira vez no Reino Unido, no Brasil e na África do Sul.

Estas variantes são consideradas mais perigosas do que a versão original do SARS-CoV-2 por serem mais contagiosas, mortais ou resistentes a certas vacinas.

Na segunda-feira, a líder técnica da resposta à Covid-19 na OMS, a epidemiologista Maria Van Kerkhove, adiantou que são necessários mais estudos epidemiológicos e de sequenciação genética da variante com origem na Índia, muito embora até ao momento "nada sugere que vacinas, tratamentos e diagnósticos não funcionem com esta variante".

"As informações que temos indicam que as medidas de saúde pública funcionam", acrescentou.

A pandemia provocou, pelo menos, 3.306.037 mortos no mundo, resultantes de mais de 158,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+