Tempo
|
A+ / A-

Velas e flores marcam 35.º aniversário de Chernobyl

26 abr, 2021 - 13:40 • Marta Grosso com agências

Foi no dia 26 de abril de 1986 que o reator n.º 4 explodiu, dando origem ao pior desastre nuclear da história. Veja imagens da homenagem, de Prypyat, a cidade fantasma onde vivia grande parte dos trabalhadores, e do novo Chernobyl.

A+ / A-

Dezenas de pessoas participaram, nesta segunda-feira de manhã, numa cerimónia pelo 35.º aniversário do desastre de Chernobyl, na Ucrânia.

A cerimónia decorreu num memorial aos bombeiros na cidade de Slavutych, construída depois da evacuação de Prypyat, situada a apenas quilómetro e meio de Chernobyl e onde moravam muitos dos trabalhadores na central nuclear.

Foram colocadas rosas e outras flores pelas vítimas.

Na própria cidade de Prypyat, foram acendidas velas em homenagem aos trabalhadores que morreram na sequência do acidente e dos trabalhas de limpeza decorrentes.

Homenagem em Slavutych. Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters
Homenagem em Slavutych. Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters
Homenagem aos bombeiros e outros trabalhadores que tiveram de acudir à zona do desastre. Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters
Homenagem aos bombeiros e outros trabalhadores que tiveram de acudir à zona do desastre. Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters
Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters
Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters
Velas em Prypyat. Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Velas em Prypyat. Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA

O acidente ocorreu em 26 de abril de 1986. O reator n.º 4 da central explodiu e deu origem ao maior desastre nuclear de que há registo. Prypyat tornou-se numa cidade fantasma.

Para assinalar a data, foi também aberta uma exposição sobre a cidade e as pessoas que trabalharam no local após a explosão.

Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Exposição sobre Prypyat assinala 35 anos do desastre nuclear de Chernobyl. Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Exposição sobre Prypyat assinala 35 anos do desastre nuclear de Chernobyl. Foto: Sergey Dolzhenko/EPA

Chernobyl é hoje um ponto de turismo. Em agosto de 2019, 75 mil pessoas visitaram o local.

A explosão da madrugada do dia 26 abril de 1986, três anos antes do colapso da União Soviética, libertou material radioativo que atingiu vários países da Europa ocidental e continua a afetar milhares de habitantes da Ucrânia, Bielorrússia e Rússia, além de muitos terrenos, numa aérea de 200 mil quilómetros quadrados, estarem contaminados.

Em 2016, ficou concluída a instalação do sarcófago de proteção do quarto reator, a maior estrutura dinâmica jamais construída e que garante a segurança do local durante um período de 100 anos.

Ucrânia quer dar uma “nova vida” a Chernobyl – a 108 metros de altitude
Ucrânia quer dar uma “nova vida” a Chernobyl – a 108 metros de altitude
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Soares
    26 abr, 2021 Lisboa 15:09
    Em Kiev existe o museu de Chernobyl. Estive lá e a primeira imagem que vi à entrada foram umas placas penduradas no tecto. Perguntei o que eram, ao que me responderam que todas elas eram nomes de cidades, aldeias e vilas que tinham desaparecido. Todos tiveram que sair das suas casas e deixar tudo para trás. Fiquei chocado com aquela imagem. Vale a pena lá ir e principalmente os defensores do Nuclear. Que vejam as fotos das pessoas que não tendo sido avisadas, ficaram expostas ás partículas radioativas. João Soares

Destaques V+