Tempo
|
A+ / A-

Reino Unido

Arcebispo de Westminster lamenta falecimento do príncipe Filipe

09 abr, 2021 - 21:08 • Filipe d'Avillez com Ecclesia

Família Real pede donativos para instituições de solidariedade em vez de flores.

A+ / A-

O arcebispo de Westminster, cardeal Vincent Nichols, lamentou em comunicado o falecimento do príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II, que morreu esta sexta-feira aos 99 anos.

“Neste momento de tristeza e perda, rezo pelo descanso da alma do príncipe Filipe, o fiel e leal marido de sua majestade a rainha. Rezo pela rainha e por toda a família real”, escreveu o responsável católico.

O cardeal inglês evoca a “presença e caráter” do duque de Edimburgo, “tão cheio de vida e vigor.

“Ele foi um exemplo de lealdade inabalável e dever oferecido com alegria. Que descanse em paz”, conclui a mensagem.

O portal de notícias do Vaticano assinala a notícia com uma pequena nota biográfica sobre o príncipe Filipe e os vários encontros que teve com os Papas, desde 1961, quando foi recebido em audiência por São João XXIII.

O último encontro aconteceu em abril de 2014, na Casa de Santa Marta, com o Papa Francisco; o duque de Edimburgo esteve ainda com São João Paulo e Bento XVI.

Caridade em vez de flores

Enquanto se esperam notícias sobre as cerimónias fúnebres, a Família Real britânica divulgou uma nota em que explica que devido à pandemia não haverá livros de condolências disponíveis nos locais habituais – embaixadas e consulados, por exemplo – mas que existe um livro de condolências virtual que pode ser assinado por quem quiser.

O palácio de Buckingham pede ainda que no lugar de arranjos florais os interessados em expressar as suas condolências façam um donativo a uma instituição de solidariedade social à sua escolha.

O príncipe Filipe era patrono de muitas associações caritativas e dedicava boa parte da sua atividade pública a estas causas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+