Tempo
|
A+ / A-

Timor-Leste. 36 desaparecidos e mais de 84 milhões de euros em danos

07 abr, 2021 - 09:54 • Lusa

Díli, a capital, é das zonas mais afetadas. Aqui, o número de deslocados já passa os 10 mil. O Governo e antigos governantes, como Xanana Gusmão, aliam forças para mobilizar ajuda.

A+ / A-

As autoridades timorenses estão envolvidas em operações de busca em vários pontos do país para encontrarem 36 pessoas dadas como desaparecidas desde as cheias de domingo, que causaram pelo menos 34 mortos.

Fonte da Proteção Civil disse à agência Lusa que há 20 pessoas desaparecidas em Díli, 10 em Ainaro, cinco em Manatuto e uma em Aileu.

Elementos da Unidade de Polícia Marítima e das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) “vão ser chamadas a apoiar” as operações, explicou a mesma fonte.

O número de deslocados continua igualmente a crescer em vários pontos do país, com destaque no caso de Díli para a população de Tasi Tolu, cujo número de deslocados tem vindo a aumentar progressivamente nas montanhas que rodeiam as lagoas, que dão nome à zona.

A estimativa mais recente é de que o número de deslocados, só em Díli, ultrapassa já os 10 mil, encontrando-se em vários locais de acolhimento temporário, onde continuam a ser fornecidos apoios alimentares e outros de emergência.

Muitas infraestruturas destruídas

A estimativa inicial de danos causados pelas cheias em Timor-Leste, e que causaram pelo menos 34 mortos, é de 100 milhões de dólares (84,3 milhões de euros) só no município de Díli, anunciou hoje o primeiro-ministro timorense.

Taur Matan Ruak apresentou o valor aos jornalistas depois de uma visita a vários dos pontos mais afetados pelas cheias no município, explicando que o executivo está a trabalhar para apoiar a população e minimizar os potenciais riscos em zonas de maior perigo.

O chefe do Governo visitou nesta quarta-feira várias zonas da cidade acompanhado pelo vice-primeiro-ministro e ministro do Plano e Ordenamento, José Reis, e pelo ministro das Obras Públicas, Salvador Soares.

A visita, segundo a agência noticiosa Tatoli, pretendia avaliar ‘in loco’ os estragos e os impactos mais significativos das cheias tanto a nível das comunidades como das infraestruturas físicas danificadas, incluindo pontes, estradas e ribeiras.

“Orientei o vice-ministro e o ministro das Obras Públicas para procurar meios para normalizar as infraestruturas em Díli e nos municípios que sofreram estragos devido às inundações. Vamos implementar um plano de emergência”, frisou.

Ao mesmo tempo, o Ministério da Administração Estatal e a Secretaria de Estado da Proteção Civil vão trabalhar no apoio à retirada de vítimas e na resposta humanitária urgente, como têm vindo a fazer desde domingo.

Xanana Gusmão mobiliza ajuda

Vários membros do Governo e alguns líderes nacionais multiplicaram-se nesta quarta-feira em visitas a vários locais afetados.

O ex-Presidente da República Xanana Gusmão esteve na segunda-feira e nesta quarta a mobilizar recursos para apoios de urgência a mais de 520 vítimas no município de Manatuto, onde morreram 12 pessoas.

Residentes em cinco zonas de Manatuto sofreram danos significativos devido à chuva intensa que assolou a zona no sábado e domingo.

O apoio inclui alimentos, produtos de higiene, combustível e outros materiais.

Samuel Rodrigues Pereira, administrador de Laclo (Manatuto) agradeceu o apoio dado notando que as inundações tiveram grande impacto nas culturas da região, afetado mais de 200 hectares de campos de cultivo em várias zonas.

Já no fim de semana Xanana Gusmão tinha visitado vítimas das cheias em vários pontos da cidade, onde expressou solidariedade e contactou com a população.

Mari Alkatiri, secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), maior partido do Governo, visitou as vítimas que estão temporariamente alojadas no Centro de Formação Don Bosco, em Comoro, na zona ocidental da capital.

Fidelis Magalhães, ministro da Presidência do Conselho de Ministros, que também esteve no terreno, anunciou um apoio adicional à Cruz Vermelha, que está envolvida nas operações humanitárias.

O ministro explicou que o executivo já tinha solicitado aos empresários nacionais e internacionais que mobilizassem meios e máquinas pesadas para ajudarem nas operações de limpeza e de reparação dos estragos causados pelas cheias.

Também o presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Timor-Leste (CCI-TL), Óscar Lima, apelou à participação de todos os empresários que possuem equipamentos e veículos pesados para que participassem nas operações de limpeza na capital.

O secretário de Estado da Proteção Civil, Joaquim Gusmão, também continuou nesta quarta-feira no terreno, avaliando a situação das populações afetadas e coordenando o apoio que está a ser distribuído pela Proteção Civil, muito dele resultante de doações de cidadãos e empresas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+