Tempo
|
A+ / A-

Ataques em Cabo Delgado

Equipa da embaixada portuguesa em Maputo já está em Pemba

29 mar, 2021 - 22:17 • Carlos Calaveiras Redação

Ministro volta a referir que Portugal vai enviar 60 militares para o país, que irão apoiar as Forças Armadas Moçambicanas na formação de tropas especiais.

A+ / A-

Já está em Pemba uma equipa da embaixada portuguesa em Maputo para apoiar e referenciar os portugueses que fugiram de Palma. A garantia dada à Renascença pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros.

“Na segunda-feira chegou uma equipa do Consulado Geral português em Maputo a Pemba para fazer contactos sistemáticos com todos os portugueses que lá estejam, garantindo-lhes o apoio consular que necessitem.”

Em entrevista à RTP, Augusto Santos Silva voltou a confirmar que Portugal vai enviar militares.

Augusto Santos Silva diz que a missão já está em planeamento. “Ao abrigo da nossa cooperação técnico-militar com Moçambique está a planear-se e a preparar-se uma equipa de cerca de 60 militares portugueses que irão apoiar as Forças Armadas Moçambicanas na formação de tropas especiais”.

Também está a ser preparado um apoio a nível europeu. “Depois da missão que eu próprio liderei em janeiro a Maputo está a decorrer o processo de decisão interno na União Europeia de que eu espero que resulte uma missão de apoio à formação e também apoio do ponto de vista logístico e sanitário”.

Dezenas de civis, incluindo sete pessoas que tentavam fugir do principal hotel de Palma, no norte de Moçambique, foram mortos pelo grupo armado Estado Islâmico que atacou a vila na quarta-feira passada.

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de duas mil mortes.

O movimento terrorista já reivindicou o controlo da vila de Palma.

Vários países têm oferecido apoio militar no terreno a Maputo para combater estes insurgentes, cujas ações já foram reivindicadas pelo autoproclamado Estado Islâmico, mas, até ao momento, ainda não existiu abertura para isso, embora existam relatos e testemunhos que apontam para a existência de empresas de segurança e de mercenários na zona.

A guerra em Cabo Delgado começou com operações violentas e de pequena escala, no distrito de Mocímboa da Praia, e intensificou-se a partir de 2019, com a chegada de dezenas de combatentes jihadistas estrangeiros, tendo-se estendido a metade dos distritos, no Nordeste.

A organização humanitária internacional Save the Children denunciou que há crianças a serem decapitadas na província moçambicana de Cabo Delgado.


[notícia atualizada às 7h00]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+