Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Explicador

Passaporte de vacinação Covid. O que é e como deverá funcionar?

17 mar, 2021 - 08:33 • Miguel Coelho

A proposta tem motivado bastante polémica, mas deve ser aprovada nesta quarta-feira pela Comissão Europeia.

A+ / A-

Bruxelas prepara-se para aprovar o projeto do chamado “passaporte de vacinação”, que depois terá de ser submetido ao Conselho e ao Parlamento Europeu. Mas tudo indica que deverá estar em vigor, o mais tardar, até junho.

Já foi conhecido por várias designações – como passaporte Covid ou certificado de vacinação – mas, segundo avança o jornal espanhol "El País", deverá chamar-se, afinal, "certificado verde digital".

Qual o objetivo deste “passaporte”?

Não será necessariamente verde, nem apenas digital, mas tem como objetivo permitir a entrada de viajantes que já tenham sido vacinados e sejam provenientes de outro país. É visto como uma forma de reanimar o setor turístico, que tem sido dos mais afetados com a pandemia de Covid-19.

Mas é uma espécie de boletim de vacinas?

Sim, mas não só. O projeto prevê que, além do nome do portador e da data de nascimento, o documento indique se a pessoa já foi vacinada, com que vacina e em que data.

Deve ainda informar se o portador já teve Covid-19 e se fez teste com resultado negativo, bem como se desenvolveu anticorpos, o que pode ser comprovado através do chamado teste serológico – o que será útil, porque a pessoa pode ter tido estado infetada sem o saber.

Que formato terá o novo certificado?

O que está previsto é que tanto possa ser digital (para que possas trazê-lo no telemóvel) como em papel. Deve incluir um código de barras para tornar mais difícil a falsificação e será bilingue, ou seja, terá informação na língua do país de origem, mas também em inglês.

Mas será válido para todas as vacinas?

Em princípio, será válido para as vacinas contra a Covid-19 aprovadas pela União Europeia (que atualmente são quatro). Outras deverão ser entretanto autorizadas, mas deverá permitir a cada país, de forma facultativa, aceitar também mais vacinas, desde que validadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) – por exemplo, as que são produzidas na Rússia ou na China, até porque há Estados-membros da União Europeia, como a Hungria ou a Eslováquia, que já compraram vacinas a estes países.

E as questões de legitimidade?

A Comissão Europeia acredita que fiquem resolvidas, desde logo, quanto à questão da eventual discriminação, dado que Bruxelas recusa a ideia de que possam ser conferidos direitos especiais às pessoas vacinadas.

Garante ainda que os restantes cidadãos deverão ter os mesmos direitos de circulação, embora sujeitos – se necessário – a testes à Covid-19 ou a quarentenas.

Depois há outra questão: proteção dos dados pessoais. Para tentar acalmar a polémica, Bruxelas já reduziu a lista de dados que devem constar no certificado. Inicialmente, eram 20, mas foram reduzidos para 11.

Um equilíbrio difícil entre direitos individuais e interesse coletivo

O grande objetivo é contribuir para melhorar a segurança de todos e ajudar a economia, facilitado as viagens, com maior segurança sanitária, mas também as próprias atividades do dia-a-dia.

Basta ver o exemplo de Israel, que já tem em vigor um certificado semelhante ao que a Comissão Europeia quer aprovar – é o chamado "passe verde" e permite o acesso a restaurantes, ginásios, espetáculos, etc... A diferença é que Israel já vacinou mais de metade da população, enquanto na União Europeia o processo continua muito atrasado.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Werner Grosse
    23 mar, 2021 Barcelos 13:01
    Então, se a forma mais natural de ficar immune contra qualquer vírus é a exposição a ele (e o SARS-CoV-2 não é diferente disso), além de não estar comprovado que alguma das vacinas entretanto autorizadas temporariamente contra a Covid-19 (nota: não é contra o SARS-CoV-2 mas sim contra a Covid-19) não me protegem contra o contágio desse vírus (SARS-CoV-2), a minha pergunta é, se vou poder ter esse 'passaporte' sem a tal vacina, desde que eu esteja imunizado de forma natural.
  • Mário
    20 mar, 2021 Lisboa 12:24
    O vírus é mesmo chinês cada vez mais até já se escolhe quem viaja etc triste onde estamos a chegar adeus democracia....
  • Ivo Pestana
    18 mar, 2021 Madeira 21:42
    Tontos, querem pôr o carro na frente dos bois. Concordo com o comentário anterior. Esta UE, está bem está.
  • Observador
    17 mar, 2021 País 20:51
    Incrível! Em vez de massificarem a vacinação, quebrando as patentes e/ou confiscando toda a produção de fábricas em território da UE e proibindo a exportação de vacinas - as fábricas fora da UE não exportam para cá pois os Países onde elas estão, proibiram a exportação enquanto as necessidades deles não estiverem satisfeitas - preferem dar direitos de privilégio a uma meia-duzia de turistas parvos mas endinheirados, vindos de Países que souberam fazer a vacinação. Isto apesar de os vacinados não contraírem a doença, mas continuarem a transmiti-la. Não é de agarrar num cacete?

Destaques V+