Tempo
|
A+ / A-

Vacinação

Rússia espera iniciar esta semana processo para regulador europeu autorizar Sputnik V

01 mar, 2021 - 21:33 • Lusa

Hungria, República Checa e Eslováquia são os três países da União Europeia que já mostraram interesse em usar a vacina russa.

A+ / A-

Veja também:


O Fundo de Investimento Direto da Rússia (FIDR) espera começar esta semana o processo de autorização junto do regulador europeu da vacina russa contra a Covid-19, Sputnik V, anunciou hoje o seu diretor, Kirill Dmitriev.

“Continuamos a trabalhar com o regulador europeu. Enviamos um pedido de aprovação em janeiro e esperamos começar esta semana o processo de avaliação”, afirmou Dmitriev à televisão estatal russa.

O fundo soberano russo mantém contactos diretos desde o início do ano com a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), mas esta ainda não aprovou a fórmula russa.

Entretanto, de acordo com Dmitriev, a Rússia mantém simultaneamente consultas para o registo da Sputnik V na República Checa e Áustria, que não querem esperar pela luz verde europeia.

Ainda esta segunda-feira, a Eslováquia tornou-se no segundo país da EU, depois da Hungria, a registar a vacina russa e o Presidente checo, Miloš Zeman, anunciou no sábado que falou com o homólogo russo, Vladimir Putin, sobre a possibilidade de encomendar a vacina.

Zeman indicou que já existem seis países membros da UE que desejam receber a vacina russa, porém sem especificar quais seriam.

Na semana passada, Putin abordou a mesma questão e também a produção conjunta em conversa por telefone com o chefe de governo austríaco, Sebastian Kurz.

O governo austríaco criticou recentemente o que considera como “hesitação” por parte da EMA na autorização de vacinas, algo que, segundo alertou, pode resultar em Estados membros a agirem por conta própria.

A Hungria justificou precisamente com os atrasos a decisão unilateral de adquirir fármacos russos e chineses, exemplo que a Croácia e o Luxemburgo pretendem imitar.

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Alexander Grushko, sublinhou hoje que o país está a receber “sinais não oficiais de outros países” europeus do mesmo género.

“Muitos consideram que uma autêntica cooperação vai ser possível quando a nossa vacina seja certificada [pela EMA], mas alguns expressam disposição em tomar a via da certificação nacional, o que será suficiente para o uso da nossa vacina nos seus territórios”, explicou.

A vacina russa já obteve autorização em países e territórios como Egito, Argélia, Palestina, Hungria, Argélia, Tunísia, Irão, Myanmar (antiga Birmânia), Paquistão ou Cazaquistão.

Na América Latina e Caraíbas, Argentina, Bolívia, Venezuela, Paraguai, México, Nicarágua, Honduras, Guatemala, São Vicente e Granadinas e Guiana também autorizaram a Sputnik V.

Recentemente, o Kremlin admitiu não ter capacidade para satisfazer a alta demanda internacional da Sputnik V, argumentando que “a prioridade absoluta” é a campanha nacional de vacinação.

O FIDR assinou contratos com uma dezena de empresas farmacêuticas do Brasil, China, Irão, Sérvia ou Coreia do Sul para a produção no estrangeiro de cerca de 1.400 milhões de doses.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.531.448 mortos no mundo, resultantes de mais de 114 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+