Tempo
|
A+ / A-

Israel cria spray nasal que promete revolucionar combate à Covid-19

18 fev, 2021 - 09:53 • Olímpia Mairos

Medicamento de administração nasal criado no Hospital Ichilov, em Telavive, conseguiu reverter os sintomas em doentes graves.

A+ / A-

Veja também:


Chama-se EXO-CD24. É um spray nasal que promete revolucionar o combate à Covid-19.

O medicamento de administração nasal, criado no Hospital Ichilov, em Telavive, conseguiu reverter os sintomas em doentes graves.

Os ensaios clínicos foram muitos prometedores em 35 doentes com sintomas moderados a graves de Covid. Todos recuperaram entre 3 e 5 dias, após o início do tratamento, com exceção de 1 que recuperou mais tarde.

Segundo Nadir Arber, professor e médico israelita do hospital, citado pelo Diário de Notícias, não se trata de "uma cura para a Covid-19" nem de um substituto das “imprescindíveis vacinas”, mas pode ser um passo essencial para "virar o jogo" na luta contra o vírus e baixar drasticamente a mortalidade nos casos mais graves da doença.

O médico defende que "é preciso manter alguma humildade" e aguardar ensaios clínicos adicionais, ainda assim, não esconde o entusiasmo face aos primeiros resultados demonstrados pelo tratamento inovador.

O EXO-CD24 combina dois elementos com que a equipa de Nadir Arber já estava habituada a trabalhar há vários anos, no âmbito da investigação em cancro. Segundo o investigador “a proteína CD24 permite regular a resposta do sistema imunitário" e os exossomas, "nanovesículas excretadas pelas células e que vão estabelecer comunicação intercelular".

No tratamento da Covid-19, o fármaco atua no combate à tempestade de citocinas, uma reação exagerada do sistema imune que se acredita ser responsável por muitas das mortes associadas à doença. O composto usa exossomas - pequenos sacos transportadores de materiais - que levam a proteína CD24 aos pulmões. Esta proteína ajuda a acalmar o sistema imunológico e conter a tempestade. Como é inalado, vai diretamente aos pulmões, sem causar efeitos colaterais.

Nadir Arber refere ainda que o novo medicamento é fácil de produzir a baixo custo e que pode ser fabricado em quantidade suficiente, em poucos meses, para servir todo o mundo.

Se a investigação e produção decorrer ao ritmo que o investigador desejar, o fármaco poderá vir a ser usado ainda este ano.

O médico sublinha, no entanto, que a resposta ao novo coronavírus deve ser uma resposta integrada.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+